Zebu x Europeu: Como encontrar a raça perfeita para a sua fazenda

Postado em: 28/10/2019 - 11 min de leitura

Zebu x Europeu: Como encontrar a raça perfeita para a sua fazenda
A escolha da raça de bovinos de corte desempenha um papel vital no sucesso de qualquer empreendimento que busque produzir carne. Será que existe uma ou algumas raças que são boas de forma absoluta, ou seja, apresentariam desempenho máximo em qualquer situação? A resposta para essa pergunta é: não. A raça ideal para produção de carne depende de muitos fatores relacionados à propriedade, tanto no que diz respeito a questões físicas como de gestão e objetivos da fazenda.

Alguns fatores que influenciam bastante no desempenho dos animais de corte são:

- Clima e ambiente da fazenda;
- Peso e idade de abate desejados;
- Estratégia de produção.

Etapa 1: qual é a sua estratégia de produção de carne bovina?

Escolher as raças certas para bovinos começa com o conhecimento de seus objetivos. O que você espera que seu gado faça? Por exemplo:

- Você está terminando e vendendo boi gordo, vendendo bezerros desmamados ou levando novilhos para leilão?
- Se você cria gado a pasto, quer bezerros de estrutura menor que terminam antes do segundo inverno ou a sua estratégia de produção e clima são adequados para o gado de estrutura maior que termina mais pesado aos 24 ou 36 meses de idade?
- Existe um prêmio de preço ou vantagem de marketing para uma raça ou outra para atender às preferências do comprador em sua região?
- Qual seu sistema de produção e possibilidades de mudanças e adaptações se necessário?

Antes de decidir sobre qualquer raça específica de gado, projete sua estratégia de produção para que ela se encaixe com as restrições ambientais e se ajuste ao mercado específico que você está tentando fornecer.

Conheça o seu negócio e escolha a raça certa. A escolha de raças é apenas uma ferramenta para fazer sua empresa funcionar.

Etapa 2: Que tipo de desafios ambientais e climáticos seu gado enfrentará em sua fazenda?

O próximo passo é identificar as condições ambientais e climáticas específicas que seu gado enfrentará em sua fazenda. Isso determina quais características específicas procurar quando você começa a avaliar possíveis raças.

- Que tipo de clima de inverno você espera que seu gado aguente?
- Que tipo de clima de verão seu gado suportará? Calor suave ou muito intenso, seco e empoeirado ou com umidade sufocante?
- Quão severas são as flutuações de temperatura entre o verão e o inverno?
- Em que tipo de solo seu gado estará - rochoso, pantanoso, úmido ou seco? Eles precisam de pés capazes de suportar caminhadas sobre pedras ou cascos de crescimento lento que não precisarão ser aparados constantemente em terreno macio e pantanoso?
- Seu gado viajará longas distâncias ou caminhará de um pasto adjacente para o outro?
- Quais parasitas seu gado enfrentará? As fazendas em climas tropicais devem observar atentamente as raças tropicais de gado devido à maior resistência a parasitas tropicais.
- A luz solar intensa (cansaço visual) é um problema em sua área? Seu gado se beneficiaria de pigmentos no pelo ao redor dos olhos para reduzir o brilho e a fadiga ocular? O cansaço visual aumenta a vulnerabilidade à Pinkeye ou ceratoconjuntivite infecciosa bovina.

Como você pode ver nesta breve lista, identificar claramente os desafios ambientais e estratégias de produção que seu gado enfrentará em sua fazenda permite que você procure características muito específicas quando começar a avaliar as raças de gado de corte.

Etapa 3: Avalie as raças disponíveis para encontrar a combinação perfeita para sua fazenda.

Não existe a raça perfeita para gado de corte, apenas a combinação perfeita de raça para se adequar ao clima, à estratégia de produção e às oportunidades únicas de mercado da sua fazenda.

Toda raça tem uma vantagem. Para encontrar a raça que possui as adaptações únicas adequadas à sua fazenda, basta se aprofundar um pouco mais nos climas ancestrais e nas histórias das raças.

As raças de bovinos de corte são tipicamente agrupadas da seguinte forma:

As raças tropicais (Bos inducus) evoluíram a partir de aurochs asiáticos domesticados. Eles também são comumente conhecidos como gado zebu e são facilmente identificáveis pela presença do cupim, que as raças europeias de gado não têm.

As raças europeias (Bos taurus) evoluíram na Europa e no Crescente Fértil. As raças europeias de gado de corte foram domesticadas independentemente do gado zebu. Os arqueólogos até sugerem que nem todas as raças europeias têm uma única origem, mas sim que houve vários eventos de domesticação independentes simultâneos.

As raças europeias de gado de corte são divididas em raças britânicas e raças continentais, dependendo de terem evoluído nas ilhas britânicas ou no continente europeu.

Depois, há o gado Sanga (Bos inducus africanus). Eles são um subgrupo de gado zebu, específico da África. Pensa-se que sejam um híbrido de gado zebu da Ásia e gado indígena que provavelmente se originou no oeste da Etiópia antes de se espalhar pelo continente.

E, finalmente, há novas raças híbridas criadas pela criação conjunta de zebu e bovinos de corte europeus.

Os bovinos também são agrupados com base nos propósitos para os quais foram criados - carne, leite, animais de tração ou raças de dupla finalidade.

Raças Tropicais

Raças tropicais (Bos indicus), como Gir, Guzera, indo-brasileiro, Nelore e Brahman; e o gado Sanga (Bos indicus africanus), como o gado Boran, Nguni, Ankole e Afrikander, são adaptados fisiologicamente para expelir o excesso de calor.

Eles prosperam no calor dos trópicos, mas sofrem se você espera que eles pastem no inverno com temperaturas congelantes. Suas orelhas grandes e longas são ideais para expelir o calor, mas são vulneráveis ao congelamento. De fato, toda a sua composição corporal, desde os vasos sanguíneos nos ouvidos até a maneira como armazenam a gordura corporal e sua cobertura de pelos, é projetada para irradiar o calor e não mantê-lo.

As raças tropicais prosperam em climas quentes que fazem com que seus primos europeus adaptados ao frio sofram hipertermia. Mas sua vantagem em climas quentes também é sua maior dificuldade em climas frios. Os requisitos nutricionais (e os custos de alimentação) para manter as raças tropicais quentes durante um inverno frio e com neve são significativamente maiores do que entre os bovinos adaptados a climas frios.

Porém, é possível utilizar raças tropicais também em locais onde o clima pode ser muito frio. Esses animais foram usados com sucesso em programas de cruzamento para combinar a genética tolerante ao calor e resistente a parasitas de raças tropicais com a resistência adaptada ao frio das raças continentais e britânicas, especialmente em algumas partes dos EUA continentais, onde as diferenças sazonais de temperatura podem variar de tropical a sub-ártico ao longo do mesmo ano.

Por exemplo, o Beefmaster Cattle, uma raça relativamente recente criada na década de 1930, misturou com sucesso a genética Brahman com Shorthorn e Hereford para criar uma raça resistente capaz de prosperar nos extremos climáticos do Texas, embora eles tenham se espalhado para além das fronteiras do Texas. O gado Brangus é outra raça híbrida que foi desenvolvida para combinar as características mais desejáveis dos bovinos Brahman e Angus para criar uma raça resistente, tolerante ao calor e com maturação precoce.

As raças tropicais de gado de corte são conhecidas por:

- Tolerância ao calor;
- Baixo peso ao nascer;
- Maior resistência a parasitas tropicais;
- Amadurecimento tardio (até 36 meses) devido ao seu grande tamanho;
- Longevidade.

Raças britânicas e continentais

As raças britânica e continental (Bos Taurus) evoluíram para prosperar em uma variedade de climas frios. Suas camadas de gordura corporal, crescimento de pelos e composição corporal são projetadas para conservar o calor. As amplas variações entre essas raças refletem se elas evoluíram em áreas litorâneas frias e úmidas, climas frios e secos do norte, altitude elevada ou planícies pantanosas, regiões temperadas da Europa Ocidental ou regiões quentes perto do Mar Mediterrâneo.

Enquanto algumas dessas raças de gado sempre foram estritamente voltadas à produção de carne, outras começaram como raças de dupla finalidade (produção de leite e carne) ou serviram nossos ancestrais como animais de tração. Até hoje, essas características ainda são preservadas em sua aparência e adaptabilidade.

Assim como as raças tropicais não foram projetadas para os climas do norte, essas raças britânicas e continentais não evoluíram para prosperar em regiões tropicais. Eles apresentam hipertermia - alguns piores que outros, dependendo do clima de sua história evolutiva. Como seus corpos não são projetados para expelir calor, eles essencialmente têm hipertermia permanente no calor dos trópicos. Isso leva a ganhos de peso significativamente reduzidos e uma série de problemas de saúde.

Mas, novamente, não desconsiderem totalmente as raças britânica e continental de um programa de pastoreio em climas quentes. Eles podem ser cruzados com sucesso com raças tropicais para reunir características que lhes permitem prosperar em climas quentes.

A popularidade de Beefmaster, Brangus, Santa Gertrudis, Simbrah e muitas outras raças híbridas ou combinações de híbridos (derivadas da combinação de raças tropicais e europeias) é um testemunho da versatilidade da genética de gado, que nos permitiu misturar e fazer a combinação perfeita de características genéticas para se adequar a praticamente qualquer clima do mundo.

As raças continentais incluem Maine-Anjou, Charolês, Salers e Limousin (originalmente da França), a grande Chianina (originalmente da Itália), Gelbvieh (originalmente da Alemanha), Simental (originário dos Alpes suíços) e o resistente Texas Longhorn, que evoluiu a partir de gado espanhol que vagou selvagem por mais de trezentos anos depois de ser trazido para os EUA pelos primeiros exploradores espanhóis. Existem centenas de raças de bovinos de corte continentais para escolher, algumas antigas, outras mais recentemente desenvolvidas.

As raças continentais de gado de corte são conhecidas por:

- Tamanho maior que as raças britânicas, embora menor que a maioria das raças tropicais de bovinos de corte;
- Maior peso final (e consequentemente idade posterior) do que as raças britânicas, mas terminam mais leves e mais jovens que muitas raças tropicais;
- Alto rendimento de carne;
- Ganhos rápidos de peso;
- Adaptabilidade variável a climas quentes;
- Muitos são conhecidos por suas fortes características de ordenha, principalmente porque muitas eram raças de dupla finalidade criadas para a produção de leite e carne.

Raças britânicas, como Angus, Devon, Hereford, Shorthorn, Red Poll, Galloway e Scottish Highland evoluíram para prosperar nos climas das Ilhas Britânicas. Cada raça é projetada para superar uma combinação levemente diferente de vento, chuva, umidade ou neve que desafiava seus ancestrais nas regiões em que evoluíram.

As raças britânicas de gado de corte são conhecidas por:

- Menor peso final (e geralmente menor idade final) do que as raças continentais;
- Amadurecem mais cedo do que as raças continentais e tropicais;
- Muitos são conhecidos por seu marmoreio superior e alta maciez;
- Muitos são conhecidos por sua extrema resistência em climas extremos (frios).

Houve diferenças drásticas entre as raças de bovinos de corte em resposta aos seus desafios climáticos ancestrais e às condições ambientais. Algumas adaptações são respostas evolutivas a milhares de anos de sobrevivência em uma região específica. Outros são o resultado de decisões conscientes dos seres humanos de procurar ou combinar genética específica para dar uma vantagem em climas específicos ou para torná-los mais adequados para uma estratégia agrícola específica.

Etapa # 4: Gado puro-sangue vs cruzados

Ao começar a restringir sua lista de raças adequadas para sua fazenda, lembre-se de que você não está limitado a escolher uma única raça - para muitos fazendeiros, existem vantagens significativas (e algumas desvantagens) em combinar os traços genéticos de várias raças por meio de cruzamento ou usando um rebanho de raças mistas.

Etapa 5: Existem criadores suficientes na sua área?

Uma coisa é encontrar a raça 'perfeita' no papel para se adequar à sua estratégia de produção. Mas outra coisa é encontrar gado suficiente da raça escolhida em sua região. A importação de animais reprodutores de substituição do meio do país não é prática, nem econômica, nem sustentável.

Escolha as raças, que estão prontamente disponíveis em uma área razoável de busca perto da sua fazenda.

Mesmo depois de comprar seu rebanho inicial, você ainda precisará comprar novos touros a cada ano para substituir touros descartados. Isso significa que você precisará de uma grande variedade de criadores para manter uma diversidade genética suficiente em seu rebanho para evitar a consanguinidade.

As raças raras, apesar de ter algumas adaptações muito interessantes que as tornam atraentes para os criadores de gado a pasto, só são úteis para um produtor comercial de carne bovina se houver criadores de alta qualidade com uma variedade suficientemente ampla de diversidade genética para serem comercializados capazes de fornecer consistentemente genética de reposição ano após ano.

Portanto, fica claro que a escolha da raça ideal para sua fazenda depende de diversos fatores e não existe uma resposta única. Zebu ou europeu, qual é melhor para a produção de carne? Depende de onde está sua fazenda, qual sua aptidão e quais seus objetivos com ela.

Se quiser aprender mais sobre cruzamento industrial, acesse o conteúdo completo do curso F1 Nelore/Angus: é viável investir em um animal geneticamente melhor?

Neste curso, o Dr. Andre Valente, Professor da Universidade de Goiás, mostra as vantagens do cruzamento entre as raças Nelore e Angus, considerando as características da progênie F1. O instrutor explica porque esses animais apresentam maior ganho de peso, possibilitando o abate precoce, alta fertilidade e precocidade sexual, maior habilidade materna, além de outros ganhos em função da heterose.

Você pode fazer a aquisição do curso individualmente ou optar pela assinatura e ter acesso a todos os cursos da plataforma, que hoje são mais de 160 cursos! Clique aqui para saber mais informações sobre os planos de assinatura!

Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082



How to find the perfect beef cattle breed for your farm (https://www.grass-fed-solutions.com/beef-cattle-breeds.html)

Você sabia que pode com um único valor mensal ter acesso ilimitado a esses e centenas de cursos online?

O EducaPoint é uma plataforma preparada para trazer a melhor estrutura em cursos online para ajudar você no seu agronegócio.

Quer ter acesso a todos os cursos da plataforma?