5 estratégias nutricionais para reduzir as emissões de metano e amônia por bovinos - Parte 2/2

Postado em: 10/12/2021 - 5 min de leitura

5 estratégias nutricionais para reduzir as emissões de metano e amônia por bovinos - Parte 2/2
 4) Manejo da pastagem
 
Os solos de pastagem também armazenam grandes quantidades de carbono e, em muitas regiões, têm o potencial de sequestrar mais carbono, ao mesmo tempo que fornecem uma variedade de outros serviços ecossistêmicos relacionados ao habitat e à qualidade da água. Melhorar as práticas de manejo e criar/adotar novas espécies e cultivares pode melhorar a quantidade e a qualidade da alimentação dos animais e também, em algumas regiões e sistemas, aumentar o armazenamento de carbono no solo. No entanto, o potencial de sequestro de carbono e as técnicas para alcançá-lo são específicos de cada país/região e diferem entre os tipos de solo, práticas de manejo e clima.
 
O desenvolvimento de variedades de pastagem com características específicas destinadas a melhorar a eficiência alimentar ou reduzir diretamente as emissões pode ser de importância significativa para sistemas de produção de ruminantes predominantemente baseados em pastagens. 
 
A inclusão de leguminosas em gramíneas destinadas a pastagem ou produção de silagem tem um benefício direto por meio da necessidade reduzida de entrada de N de fertilizante e, portanto, menos emissões diretas de N2O associadas ao uso de fertilizantes. Além disso, também há evidências de um efeito das leguminosas na redução das emissões entéricas de metano, embora, novamente, isso não tenha sido mostrado de forma consistente. A inclusão de leguminosas na silagem foi relatada em pesquisa como uma redução do metano resultante de um menor teor de fibra e, portanto, maior taxa de passagem pelo rúmen.
 
Potenciais práticas de manejo de pastagem para reduzir as emissões de ruminantes incluem encurtar a duração do período de pastejo (seja um período mais curto a cada dia, ou por uma temporada mais curta), removendo animais de pastejo durante condições propícias às emissões de N2O, evitando o desenvolvimento de manchas para emissão de N2O ou CH4 no solo, e aplicação de técnicas de manejo de precisão na fertilização e aproveitamento de pastagens. 
 
Técnicas de manejo de pastagem de precisão incluem o uso de taxas apropriadas e tempo de aplicação de fertilizante N, planejamento da produção e qualidade de forragem em relação à necessidade do gado durante a temporada e gerenciamento do movimento do gado para garantir que a forragem seja pastada no momento ideal em termos de qualidade e disponibilidade. Essas medidas irão melhorar a eficiência da produção e reduzir a emissão de GEE por unidade de produção. 
 
As pastagens também oferecem potencial para sequestro de carbono, compensando outras emissões de GEE, se bem manejadas. Além de parâmetros como densidade de estocagem e nível de insumos, o uso de variedades de gramíneas/forrageiras de enraizamento profundo para sequestrar carbono, os impactos e o potencial do pastoreio popular e o potencial dos sistemas silvo-pastoris (agroflorestais) a este respeito é necessário para compreender e realizar seu potencial. 

=> Se você gosta desse conteúdo, vai gostar do curso completo Manejo de pastagens. O curso pode ser adquirido individualmente ou você pode optar por assinar a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis (mais de 245!) por um preço único. Clique aqui para assinar.
 
5) Aditivos 
 
A compreensão fundamental do microbioma e da relação entre animais hospedeiros, metanógenos e outros microrganismos é essencial para ser capaz de modificar o rúmen de uma forma que seja consistente com as práticas agrícolas, economia e requisitos de segurança alimentar. Alguns compostos químicos podem ter um efeito inibitório sobre os microrganismos geradores de metano do rúmen. Experimentos de laboratório mostraram reduções de metano in vitro de até 100%. Alguns compostos também demonstraram ser eficazes em testes com animais, com alguns resultando na remoção quase completa das emissões de metano; no entanto, eles não são comercialmente viáveis devido a questões de saúde animal e segurança alimentar ou custos proibitivos. A pesquisa está focada no exame de compostos naturais ou sintéticos que atendem aos requisitos de eficácia de longo prazo (incluindo possível adaptação da comunidade microbiana ruminal), sem efeitos negativos na produtividade e segurança alimentar e animal.
 
Foi sugerido que a função ruminal será interrompida se a produção de metano for significativamente diminuída pela inibição direta de arquéias metanogênicas sem o fornecimento de sumidouros de hidrogênio alternativos, o que implica que a produção de metano é inevitável em sistemas de produção de ruminantes. No entanto, trabalhos recentes sugerem que a produção de metano em ruminantes pode ser significativamente diminuída pela inibição do metabolismo de arquéias metanogênicas com pouco efeito na função ruminal e digestibilidade da dieta. De fato, estudos sobre o transcriptoma ruminal sugerem que o rúmen inibido por metano se adapta a altos níveis de hidrogênio, mudando a fermentação para sumidouros alternativos de H e emissões diretas de H2 do rúmen.
 
Dado que as emissões de metano podem ser reduzidas significativamente sem afetar a produção, a atenção à saúde deve se concentrar nos meios práticos pelos quais isso pode ser alcançado. O maior progresso foi nas áreas de dieta e aditivos dietéticos para mitigar as emissões de metano ruminal, com reduções superiores a 60% relatadas em bovinos alimentados com aditivos dietéticos específicos. Dados recentes sugerem que, em muitos casos, os aditivos aumentam a capacidade de mitigar a produção ruminal de CH4. 
 
Um bom exemplo de compostos com potencial são os taninos, que são ativos como inibidores de metano e como moduladores das emissões de NH3 dos excrementos. A interação do tanino com proteínas, íons metálicos e aminoácidos em ruminantes pode deprimir a atividade de micróbios metanogênicos no rúmen e, assim, diminuir as emissões de CH4. Esse efeito indireto nas emissões de CH4 deve-se principalmente aos taninos condensados, que são mais eficazes na redução da digestão das fibras. Por outro lado, os taninos hidrolisáveis ??atuam mais através da inibição do crescimento e/ou atividade de metanógenos e/ou micróbios produtores de hidrogênio, causando um efeito direto nas emissões de CH4. Embora os estudos individuais sobre este tópico sejam ambíguos, uma meta-análise recente sugere que o CH4 entérico pode ser mensuravelmente deprimido com a adição de taninos condensados em níveis acima de 1% do consumo de matéria seca da ração. Além disso, a maioria dos estudos mostra que as adições de tanino de até 2% não afetam a produção de leite. Trabalhos anteriores demonstraram que as emissões de NH3 são significativamente menores do estrume excretado por vacas alimentadas com 0,45 e 1,8% de taninos condensados, em comparação com vacas alimentadas sem tanino.
 
Mais informações: 
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082 

Fonte consultada:
 
Mini-paper – Feeding strategies to reduce methane and ammonia emissions. Autores: David R. Yáñez-Ruiz, Diego Morgavi, Tom Misselbrook, Marcello Melle, Silvija Dreijere, Ole Aes, e Mateusz Sekowski (https://ec.europa.eu/eip/agriculture/sites/default/files/fg18_mp_feeding_strategies_2017_en.pdf).
 

Neste curso, os instrutores Adilson Aguiar e Mateus Caseta, especialistas no assunto, explicam o passo a passo da implementação da pastagem e montagem dos pastos, desde a escolha de espécies forrageiras, até a divisão de piquetes, áreas de lazer, estrutura de cercas e corredores, manejo do pastejo, além de uma abordagem aprofundada sobre como fazer a análise financeira da produção pecuária baseada em pastagens.

Você sabia que pode com um único valor mensal ter acesso ilimitado a esses e centenas de cursos online?

O EducaPoint é uma plataforma preparada para trazer a melhor estrutura em cursos online para ajudar você no seu agronegócio.

Quer ter acesso a todos os cursos da plataforma?