Morte de bovinos por excesso de calor: Entenda o caso que ocorreu na Argentina

Postado em: 14/02/2019 - 6 min de leitura

Morte de bovinos por excesso de calor: Entenda o caso que ocorreu na Argentina
A Argentina registrou recentemente centenas de mortes de bovinos devido a uma onda de calor. Com uma sensação térmica superior a 45°C, as longas viagens dos animais das fazendas até a cidade de Buenos Aires pioraram a situação. Alguns chegaram mortos e outros caídos ou em condições tão extremas que morreram poucas horas após o transporte. Também nos frigoríficos, e em algumas propriedades, dezenas de animais foram perdidos.

Você sabe como o clima afeta os animais?

O clima atua diretamente sobre os animais, principalmente através de seus agentes. A temperatura é neste aspecto, o componente do clima de maior importância. Os bovinos são homeotérmicos, isto é, têm a habilidade de controlar sua temperatura corporal dentro de uma faixa estreita, quando expostos a grandes variações de temperatura, graças ao fato desses animais serem dotados de aparelho fisiológico termorregulador.

Este aparelho termorregulador é comandado pelo hipotálamo, pequeno agrupamento de células, parte do diencéfalo, na base do cérebro. A regulação acontece quando as terminações nervosas da pele recebem as sensações de calor ou frio e as transmitem ao hipotálamo que atua sobre:

- outras partes do cérebro/sistema nervoso;
- sistema circulatório;
- hipófise;
- tireóide.

Isso gera efeitos como:

- vasodilatações ou vasoconstrições;
- sudação;
- aceleração do ritmo respiratório;
- queda ou aumento do apetite (sensação de fome);
- maior ou menor ingestão de água (sensação de sede);
- maior ou menor intensidade do metabolismo;
- acamamento ou eriçamento dos pelos;
- maior ou menor termogênese (produção de calor) ou maior ou menor termólise (eliminação de calor).

A temperatura ótima para a a criação de bovinos tem uma grande variação, de acordo com a raça, fase de produção e adaptação.



O efeito do calor na temperatura corporal é determinada não somente pelo clima (temperatura do ar, umidade e radiação solar), como também, pela disponibilidade de água e alimento. As fontes disponíveis de alimento e água em ambientes quentes exercem influência na temperatura do corpo através das interações fisiológicas entre o metabolismo energético que libera calor para mantença e atividade produtivas e a água que entra no sistema via metabolismo intermediário e resfriamento evaporativo.

Fatores que afetam a perda de calor por bovinos

a) relação entre tamanho (peso) do indivíduo e sua superfície corporal.

Essa relação tende a diminuir à medida que aumenta o tamanho do animal. Assim, um animal pequeno tem mais superfície corporal por unidade de peso do que um grande. Em outras palavras, à medida que há um decréscimo do tamanho do corpo, a relação superfície/volume do corpo aumenta, e portanto, a superfície relativa através do qual o calor é dissipado aumenta.

b) o desenvolvimento da pele em dobras, pregas, barbelas, etc.

O aumento de dobras na pele, sendo esta pele mais solta, grossa e vascularizada, permite o aumento da superfície corporal e facilita a eliminação do excesso de calor, conferindo maior adaptação aos animais zebuínos ao clima tropical.

c) pelagem, cor da pele e sua conformação.

A cor dos pelos e da pele, além de sua conformação, também afetam a o comportamento de absorção e reflexão solar e consequentemente na adaptação ao calor. O ideal é a conjugação de pelagem branca ou creme com pele pigmentada, característica que se apresenta na maioria das raças zebuínas tropicais.

Eliminação do calor por evaporação

Nos climas quentes, a evaporação é o principal processo de eliminação do excesso do calor corporal. Ela é prejudicada pela umidade do ar elevada e favorecida pelos ventos. A evaporação processa-se principalmente na superfície do corpo, mas ocorre também no seu interior, na intimidade do aparelho respiratório.

O ar inspirado, em contato com a umidade dos alvéolos pulmonares e das paredes dos condutos respiratórios, acarreta a sua evaporação, pois o ar expelido é quase saturado de vapor d’ água, o que contribui para a perda de calor.

Para aumentar essa evaporação, quando os demais aspectos do aparelho termorregulador não são suficientes para evitar a elevação da temperatura corporal, o animal acelera o ritmo respiratório.

A aceleração do ritmo respiratório acarreta vários efeitos indesejáveis, como a diminuição da reserva alcalina do sangue, uma vez que a grande quantidade de ar expirado determina uma perda excessiva de dióxido de carbono do sangue, provocando a alcalemia e perturbando o sistema compensador que evita alterações na acidez do sangue.

Além disso, a taxa elevada de movimento respiratório implica em grande atividade muscular do animal, a qual, aumentando consequentemente a sua produção de calor, anula em parte o seu objetivo, acarretando um verdadeiro círculo vicioso como também excessivo trabalho dos pulmões e coração. Esse é um dos fatores que coloca em risco a vida dos animais dependendo da temperatura e umidade.

As raças zebuínas, apresentam um grande número de glândulas sudoríparas, de forma que perdem calor mais facilmente pela sudorese que as raças taurinas, e por isso são mais tolerantes a temperaturas elevadas que as raças taurinas, ou seja, elas possuem uma temperatura crítica superior mais elevada que os taurinos.

Quando acontece o estresse calórico?

Há um limite da temperatura ambiente, chamada temperatura crítica, do qual o mecanismo termorregulador começa a não ter capacidade de assegurar o equilíbrio térmico, ocorrendo em consequência a hipertermia, a elevação acima do nível normal da temperatura do corpo, provocada pela elevada temperatura ambiente.

O estresse calórico ocorre quando os animais são expostos a temperatura ambiente acima da sua temperatura crítica superior.



Representação esquemática das temperaturas críticas do meio ambiente e as zonas abrangidas por elas

A temperatura crítica também é influenciada pelos outros agentes do clima como a umidade, radiação e vento, e também varia nas diversas espécies domésticas, e mesmo nas raças e até nos indivíduos.

A alta temperatura ambiente associada à alta umidade do ar e à radiação solar são agentes causadores de estresse térmico nos animais.

Vários estudos mostram a influência térmica do ambiente sobre respostas fisiológicas dos animais domésticos, representadas pela temperatura retal, temperatura da pele, frequência respiratória, frequência cardíaca, produção e dissipação do calor.

A literatura cita, que a partir de 26,5oC ocorre aumento na temperatura retal, da pele e do pelo do gado bovino europeu e no zebu, porém o aumento no segundo é menor. A frequência respiratória no europeu a 26,5oC já é acentuada e no zebu apenas a 33-35oC.

Esse aumento na frequência respiratória tende a interferir na ventilação alveolar afetando o pH e as concentrações CO2 e O2 no sangue. Consequentemente, ocorre a redução de secreção ácida renal e aumento da eliminação de bicarbonato de sódio via urina e sudorese.

Estes efeitos causam prejuízo aos mecanismos homeostáticos de controle do metabolismo, podendo afetar diversas funções fisiológicas do animal.

Na Argentina, grande parte do rebanho de animais de corte é formada por raças europeias como Angus e a Hereford, que são animais com pelagem escura, e mais adaptados a climas amenos. Assim, considerando a onda de calor que acometeu o país recentemente com médias de 45ºC e umidade do ar acima de 60%, estes animais tiveram dificuldade de eliminar o excesso de calor e alcançaram alta temperatura corporal, justificando-se as mortes por hipertermia.


Saiba mais sobre 

Gostou desse conteúdo? Saiba mais sobre estresse calórico através do cruso:O desafio se melhorar a reprodução durante o estresse por calor.  Você encontra esse e mais 135 cursos on-line na plataforma EducaPoint.
E tem mais, você sabia que pode fazer TODOS OS CURSOS por apenas UMA ASSINATURA? Clique aqui e saiba como. Aproveite que quase toda semana são lançados novos cursos, que são automaticamente incluídos na assinatura.

Mais informações:

contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082 
www.educapoint.com.br
Baixe o aplicativo para celular

Dúvidas, críticas ou sugestões de temas? Envie um e-mail para  contato@educapoint.com.br.

Fontes consultadas:

Apostila de Bioclimatologia Animal, de Prof. Luís Fernando Dias Medeiros e Profa. Debora Helena Vieira, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Dealing With Heat Stress in Beef Cattle Operations

Você sabia que pode com um único valor mensal ter acesso ilimitado a esses e centenas de cursos online?

O EducaPoint é uma plataforma preparada para trazer a melhor estrutura em cursos online para ajudar você no seu agronegócio.

Quer ter acesso a todos os cursos da plataforma?