BLOG

Postado em: 27/07/2020

Entenda a importância de modular a saúde do intestino de ruminantes

 O intestino é o maior órgão imunológico do corpo e pode ser a nova fronteira para a saúde humana e bovina.
 
Como os consumidores pedem a diminuição do uso de antibióticos na pecuária, a relação entre os sistemas digestivo e imunológico pode permitir que a dieta aumente a imunidade em vez de remédios. O trato gastrointestinal absorve os nutrientes que o corpo precisa para ser saudável, mas também é uma barreira à infecção. O intestino é o maior órgão imunológico do corpo. 
 
O papel do intestino no combate à infecção é auxiliado por uma grande rede de nervos ao redor do sistema digestivo e uma população de bactérias dentro do sistema digestivo. Essas bactérias tornam os produtos químicos idênticos aos neuroquímicos produzidos pelos animais. Esses produtos químicos estão interagindo com os nervos, fazendo-nos sentir de certas maneiras.
 
O intestino também possui estruturas físicas para monitorar e responder a patógenos. As placas de Peyer atuam como sentinelas no intestino, alertando os glóbulos brancos quando um patógeno é identificado. A complexidade desse sistema significa que a vitalidade do sistema imunológico influencia o animal inteiro.
 
Ao preparar o sistema imunológico, estamos influenciando a infecção, o estresse oxidativo, o microbioma, a saúde intestinal, a eficiência, o consumo e também o microbioma do rúmen.
 
Para manter a eficiência alimentar, a taxa de crescimento e os padrões de produção, os produtores agora buscam entender melhor os fatores que contribuem para a saúde intestinal. Historicamente, o trato gastrointestinal, ou intestino, era considerado um órgão exclusivamente equipado para a digestão e absorção de nutrientes.
 
O intestino abriga a maior população de células imunológicas do corpo, bem como as bactérias comensais que superam todas as células hospedeiras. Há um consenso geral de que um intestino saudável leva a um animal saudável com desempenho ideal. Compreender as interações entre esses componentes inter-relacionados do intestino é o que cumulativamente faz do intestino a base para a saúde e a produtividade dos bovinos de corte e leite.



Figura 1. Componentes da integridade intestinal (Fonte: https://www.beefmagazine.com/animal-health/modulating-gut-health-ruminants)

=> Aprensa mais sobre sanidade de ruminantes no curso Princípios básicos para controle sanitário em bovinos de corte. O curso pode ser adquirido individualmente ou você pode optar por assinar a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis (mais de 190!) por um preço único. 
 
Implicações práticas da saúde intestinal em bovinos de corte e leite
 
O grande número de células bacterianas epiteliais, imunes, neurais e comensais que revestem o intestino e suas interações complexas tornam o intestino o órgão mais importante para a saúde e o desempenho dos animais. A capacidade do intestino de desempenhar funções fisiológicas normais e ajudar o animal a manter a homeostase exige que ele seja capaz de suportar estressores ambientais e infecciosos que ocorrem em operações comerciais de carne bovina e laticínios.
 
Como a saúde intestinal é comprometida na produção moderna de carne bovina e laticínios?
 
Além da infecção, fatores ambientais e de manejo podem comprometer a saúde intestinal em bovinos de corte e leite. Neles estão incluídos o desmame, fungos e micotoxinas na alimentação, estresse térmico, transporte, transição para alimentos rapidamente fermentáveis, etc.
 
Manutenção de uma microflora estável e favorável
 
Outro fator-chave no desenvolvimento e preservação da saúde intestinal é sua composição microbiana natural. A microbiota intestinal contribui para diversas funções fisiológicas, como digestão e absorção, regulação da homeostase energética, prevenção de infecções das mucosas e modulação do sistema imunológico. A microbiota do trato gastrointestinal (TGI) impede a colonização por microrganismos potencialmente patogênicos, fornece energia para a parede do TGI a partir de nutrientes não digeridos e regula o sistema imunológico da mucosa por meio de estimuladores imunes.


Figura 2. Vilosidades intestinais com microflora (Fonte: https://www.beefmagazine.com/animal-health/modulating-gut-health-ruminants)
 
Manutenção da imunidade efetiva
 
Até 70% da resposta imune reside no trato gastrointestinal. Considerando que os requisitos de nutrientes essenciais aumentam quando um animal precisa montar uma resposta imune, é fundamental caracterizar os custos nutricionais necessários para montar uma resposta imune eficaz, a fim de otimizar a eficiência alimentar e a saúde intestinal. A estimulação do sistema imunológico pode resultar na redução do potencial de crescimento do animal, resultando em custos de produção mais altos para os produtores. Fornecer uma dieta que não forneça quantidades adequadas desses nutrientes essenciais comprometerá o sistema imune do animal.
 
Manutenção de uma barreira intestinal saudável e funcional
 
Ao contrário do rúmen, o intestino é revestido por uma única camada de células epiteliais que servem para facilitar a digestão e absorção de nutrientes e atuam como uma barreira contra microrganismos invasores, toxinas e antígenos alimentares. Portanto, a função ideal da barreira intestinal é fundamental para alcançar a função intestinal saudável. As proteínas de junção apertadas são um dos principais componentes da regulação da permeabilidade intestinal. Essas junções são cruciais para a integridade da barreira epitelial e a separação dessas junções leva à quebra da barreira intestinal (ou seja, intestino permeável), permitindo a passagem de moléculas e compostos prejudiciais.
 
Implicações
 
Manter a saúde intestinal é essencial para a produção de gado de corte e leite. Na indústria pecuária, o número de compostos dietéticos comumente usados ??para melhorar a saúde intestinal é muito maior para os monogástricos do que para os ruminantes. Existe uma tendência emergente para explorar o efeito sinérgico ou aditivo de vários compostos. O recente fluxo de pesquisas que investigam o efeito de diferentes compostos na saúde intestinal beneficiará o animal ruminante. À medida que os antibióticos estão sendo eliminados da produção animal, estratégias econômicas e não antibióticas devem ser desenvolvidas para atender às demandas dos consumidores por uma produção animal mais ecológica, além de apoiar a necessidade mundial de mais proteína animal.
 
* Baseado nos artigos “The Gut Is the Largest Immune Organ in the Body”, de Brittany Bowman e Modulating gut health in ruminants, de Industry Voice by Kemin

Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082 
 

Ficou com dúvidas, gostaria de sugerir um tema ou saber mais sobre o EducaPoint? Envie uma mensagem para nós:

 
ASSINE TODOS OS CURSOS OU COMPRE UM CURSO DE SUA PREFERÊNCIA
Rede Agripoint

Copyright © 2020 AgriPoint - Todos os direitos reservados

AgriPoint Serviços de Informação para o Agronegócio
CNPJ 08.885.666/0001-86

Rua Tiradentes, 848 - 12º Andar - Centro - Piracicaba - SP

design salvego.com - desenvolvimento d-nex

Uma empresa associada da abed
ENCONTRE-NOS: