Veja quais são as vacinas obrigatórias para bovinos no Brasil!

Postado em: 22/03/2022 - 6 min de leitura

Veja quais são as vacinas obrigatórias para bovinos no Brasil!
A boa saúde do gado é vital para a produção máxima em qualquer sistema de produção, pois o gado deve ser saudável para atingir seu potencial de desempenho. Um plano de vacinação é um componente essencial para a saúde do rebanho. É comum as pessoas verem a vacina como uma despesa, quando, na realidade, trata-de de um investimento.
 
As vacinas ajudam a reduzir a incidência ou a gravidade da doença, estimulando o sistema imunológico a fornecer proteção.
 
Vacinas obrigatórias
 
No Brasil, existem duas vacinas que são obrigatórias para bovinos:
 
1) Febre aftosa
 
A febre aftosa é uma enfermidade causada por vírus (família Picornaviridae, gênero Aphthovirus). É uma das doenças infecciosas mais contagiosas dos animais e acomete animais biungulados (de casco fendido) como: bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e suínos.
 
Esta doença pode acometer rapidamente criações inteiras. O vírus se dissipa pelo contato entre animais doentes e susceptíveis, e pode contaminar o solo, água, vestimentas, veículos, aparelhos e instalações. O vento pode transportar o vírus.
 
A doença atravessa fronteiras internacionais por meio do transporte de animais infectados e da importação de produtos de origem animal (principalmente carne com osso).
 
Os animais doentes:
 
• Apresentam feridas (bolhas, aftas) na boca, nas tetas e entre as unhas;
• Salivam em excesso (babam), não comem e não bebem;
• Andam com dificuldade (manqueira);
• Se isolam dos outros animais;
• Apresentam febre alta, podendo ter tremores;
• Em vacas leiteiras pode haver diminuição rápida da produção de leite.
 
Vacinação contra a Febre Aftosa
 
São realizadas campanhas de vacinação em duas etapas: uma por volta de maio, quando todos os bovinos e bubalinos devem ser vacinados; outra por volta de novembro, quando são vacinados bovinos e bubalinos com até 24 meses. O produtor deve consultar o calendário de vacinação, divulgado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
 
Desde a etapa maio/2019, são utilizadas vacinas bivalentes (contra os (vírus O 1 e A24), com doses de 2 ml.
 
Os produtores devem declarar a vacinação à Coordenadoria de Defesa Agropecuária do seu estado. 
 
Para que os animais vacinados sejam realmente protegidos contra a Febre Aftosa, é essencial que:
- As vacinas sejam adquiridas em estabelecimentos cadastrados junto à Coordenadoria de Defesa Agropecuária;
- As vacinas sejam mantidas refrigeradas (entre 2 e 8 °C) nas revendas, no transporte até a propriedade rural e durante a aplicação;
- A vacinação seja realizada seguindo as Boas Práticas de Manejo.
 
Vale destacar que os estados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e partes do Amazonas e do Mato Grosso agora são reconhecidos internacionalmente como zonas livres de febre aftosa sem vacinação e, portanto, não precisam vacinar os animais.
 
2) Brucelose
 
A brucelose é uma doença bacteriana contagiosa que afeta diferentes espécies animais e a população humana. No Brasil, o agente causador da brucelose bovina é a bactéria Brucella abortus.
 
Os principais sintomas da brucelose bovina são:
 
  • Abortos no terço final da gestação;
  • Natimortos ou nascimento de crias fracas;
  • Aumento no intervalo entre partos;
  • Dificuldade para emprenhar;
  • Retenção de placenta;
  • Inflamação dos testículos e baixa qualidade do sêmen;
  • Diminuição da produção de leite e carne.
 
Além dos problemas reprodutivos, os prejuízos decorrentes da ocorrência de brucelose no rebanho estão relacionados à diminuição da produção de leite e carne, que varia entre 10 e 25%, ao descarte de animais positivos e a desvalorização da atividade e dos alimentos produzidos nesta propriedade.
 
Consequentemente, ocorre uma desvantagem dessa propriedade na disputa por novos mercados, fazendo com que a brucelose gere prejuízos tanto para a saúde animal, quanto para a saúde humana e também para as finanças do produtor.
 
A brucelose é uma zoonose que continua trazendo riscos tanto para a saúde animal quanto para a saúde pública. Estimativas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apontam que a brucelose gera perdas da ordem de 20% a 25% na produção de leite e redução do tempo de vida produtiva dos animais, o que exige uma taxa de reposição de cerca de 30% e, consequentemente, gera custos para o produtor.
 
Em 2001, o MAPA criou o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose (PNCEBT) com o objetivo de promover o controle nos estados que tinham como meta diminuir os números de zoonoses. A proposta era e continua sendo caminhar para a erradicação.
 
Esse programa é baseado principalmente na vacinação obrigatória de bezerras entre 3 a 8 meses de idade com a vacina B19. A vacinação é realizada exclusivamente por veterinários ou vacinadores sob sua responsabilidade e os animais vacinados são marcados a ferro na cara esquerda.

=> Se você se interessa por este tema, certamente vai gostar de dois cursos: Como manter a propriedade livre da brucelose animal e Boas práticas de vacinação em bovinos.

Os cursos podem ser adquiridos individualmente ou você pode optar por assinar a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis (mais de 240!) por um preço único. Clique aqui e veja como assinar.
 
3) Raiva
 
Há uma terceira doença que pode ter a obrigatoriedade de vacinação em casos de ocorrência pontual que é a raiva.
 
A raiva é considerada uma das doenças infecciosas mais importantes em todo o mundo, dadas as consequências que provoca para a saúde humana, animal e para a economia global. Do ponto de vista de doença, sua principal característica é o fato de ser praticamente 100% letal. Ou seja, tanto animais quanto seres humanos que desenvolvem a doença, o destino final é o óbito, após um período de evolução clínica de até 10 dias, no caso dos animais.
 
O vírus rábico possui variantes que circulam na natureza e tem características genéticas semelhantes. Essas características foram identificadas em estudos genéticos realizados no vírus da Raiva que circula no Brasil, que demonstraram que por aqui existem pelo menos seis grupos, ou variantes diferentes. A variante viral típica que é encontrada no cérebro de bovinos, equinos e pequenos ruminantes mortos pela doença é a do tipo 3.
 
Os principais sintomas de raiva em bovinos são:
 
  • Perda de apetite, inquietação e mudança de hábitos;
  • Andar cambaleante;
  • Salivação intensa;
  • Fezes secas e escuras;
  • Podem ficar ocasionalmente agressivos.
 
A vacinação contra essa doença só é feita em regiões onde existem colônias permanentes de morcegos sugadores de sangue. A vacinação somente se torna obrigatória quando aparecem focos esporádicos da doença em certas regiões.
 
No caso da vacinação contra a raiva, a maioria dos fabricantes indicam 2 ml por animal, aplicação intramuscular em animais acima dos 4 meses de idade. A administração intramuscular deve ocorrer no interior do músculo, na tábua do pescoço com a pistola de vacinação perpendicular ao corpo do animal. 
 
A aplicação da vacina é anual e todo o rebanho deve ser vacinado, independente da idade. O esquema recomendado é de duas doses iniciais, com intervalo de 30 dias e revacinação anual de todos os animais.
 
A vacinação dos bovinos deve ser associada à imunização dos demais animais existentes na propriedade, tais como cães, gatos, equídeos, suínos, caprinos e ovinos.
 
Mais informações: 
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082 

Fontes:
 
Brasil tem mais seis estados reconhecidos como áreas livres de febre aftosa sem vacinação (https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/noticias/brasil-tem-mais-seis-estados-reconhecidos-como-areas-livres-de-febre-aftosa-sem-vacinação)
 
Programa Estadual de Erradicação da Febre Aftosa (PEEFA) (https://www.defesa.agricultura.sp.gov.br/www/programas/?/sanidade-animal/programa-estadual-de-erradicacao-da-febre-aftosa/&cod=4)
 
Fabricantes vão alterar composição de vacina contra febre aftosa até 2018 (https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2017-07/fabricantes-vao-alterar-composicao-de-vacina-contra-febre-aftosa-ate-2018)
 
Brucelose bovina: o que é, sintomas, diagnóstico e controle (https://www.milkpoint.com.br/artigos/producao-de-leite/brucelose-a-doenca-do-aborto-contagioso-em-bovinos-221489/)
 
Como manter a propriedade livre da brucelose animal? (https://www.educapoint.com.br/catalogo/curso/brucelose-animal/)
 
Qual é o calendário vacinal bovinos? (https://www.ourofinosaudeanimal.com/perguntas-frequentes/bovinos/qual-e-o-calendario-vacinal-bovinos/)
 
Raiva dos bovinos: controle e prevenção (https://www.milkpoint.com.br/artigos/producao-de-leite/controle-e-prevencao-da-raiva-dos-bovinos-222247/)
 
Raiva em herbívoros domésticos: entendendo a infecção nos animais (https://www.milkpoint.com.br/artigos/producao-de-leite/raiva-em-herbivoros-domesticos-entendendo-a-infeccao-nos-animais-221229/)

Nesses cursos, voce vai aprender tudo o que precisa saber sobre o controle de brucelose em sua propriedade, bem como sobre as melhores práticas de vacinação de bovinos.

Você sabia que pode com um único valor mensal ter acesso ilimitado a esses e centenas de cursos online?

O EducaPoint é uma plataforma preparada para trazer a melhor estrutura em cursos online para ajudar você no seu agronegócio.

Quer ter acesso a todos os cursos da plataforma?