4 mitos sobre forragens que podem custar muito caro

Postado em: 20/07/2020
Confira alguns mitos comuns relacionados ao fornecimento de forragem a vacas leiteiras que podem custar muito caro ao produtor de leite!

Mito #1:
 
Minha empresa de ração testa minha silagem quanto ao seu conteúdo em nutrientes. No entanto, não acho que vale a pena testar minha forragem, pois tenho muitos cortes diferentes e forneço antes que a análise volte do laboratório.
 
Verdade sobre o mito #1:
 
A qualidade da forragem afeta diretamente a quantidade de leite que o rebanho de ordenha produzirá e a quantidade de grãos que precisam ser fornecidos. Isso é verdade, não importa se você fornece apenas 2 quilos e meio de forragem ou se fornece mais de 5 quilos de forragem por vaca. Para determinar a qualidade de sua forragem e determinar a quantidade de grãos que precisam ser fornecidos, a forragem deve ser testada para determinar seu teor de nutrientes. Além disso, o teste de forragem permite que você aloque o alimento para o grupo certo de animais em sua fazenda, que pode melhor usar essa qualidade do de forragem. A melhor forragem precisa ser fornecida aos bezerros dos 2 aos 4 meses de idade e ao rebanho leiteiro, especialmente quando a maior porcentagem de vacas está no início da lactação.
 
Toda sua forragem precisa ser colhida até o final da colheita do outono. Isso permite que você não apenas tenha as amostras antes que o alimento seja fornecido, mas também desenvolva um plano sobre como melhor usar a forragem que você possui. É melhor testar cada campo e cortar separadamente. No entanto, as amostras podem ser combinadas se forem de tipos semelhantes de culturas de feno e os mesmos cortes para minimizar o número de amostras enviadas para um laboratório. A chave é coletar pelo menos 20 fardos para obter uma amostra representativa.
 
Mito #2:
Minhas vacas só precisam de um pouco de fibra para mastigar, então eu vou alimentá-las com forragem mais fibrosa e bruta.
 
Verdade sobre o mito #2:
A forragem fibrosa tem menos energia e proteína do que o feno de qualidade leiteira. Ao fornecer essa qualidade de forragem, as vacas se enchem com um alimento de qualidade inferior, o que diminui a quantidade de nutrientes que recebem ao longo do dia. Resultado - as vacas, especialmente as vacas em lactação precoce, diminuirão a produção de leite, podendo chegar a 1 quilo de leite por cada 2,5 quilos de feno bruto que comem.

=> Quer aprender mais? Acesse o curso Análise de alimentos e interpretação de laudos para nutrição animal. Você pode adquirir o curso individualmente ou optar pela assinatura da plataforma EducaPoint, o que dá a você acesso a TODOS os cursos disponíveis - e já são mais de 190! - por um preço único. 
 
 
Mito #3:
Testo a forragem que forneço às minhas vacas leiteiras, mas não vejo a necessidade de testar a forragem fornecida às minhas novilhas e vacas secas.
 
Verdade sobre o mito #3:
Para fornecer às novilhas e vacas secas a nutrição adequada, as forragens devem ser testadas e esses resultados utilizados para equilibrar a alimentação. Primeiro, o bezerro que cresce dentro da vaca ou da novilha recebe os nutrientes de que precisa às custas da vaca ou da novilha. Assim, quando as novilhas ou vacas secas não recebem a nutrição adequada, o bezerro também terá deficiência nutricional.

Em segundo lugar, precisamos lembrar que nos últimos dois meses antes de uma novilha ou vaca parir, é necessário preparar o cenário para o quão bem ela vai produzir nessa lactação. Fornecer quantidades inadequadas de energia, proteína, minerais ou vitaminas resulta em menos leite durante a próxima lactação. As vacas em lactação precoce obtêm maior lucro para seus donos e a nutrição antes do parto afeta a produção e o desempenho reprodutivo durante a lactação precoce. Assim, a falta de proteína ou energia prejudica a produção e a lucratividade futuras da vaca e não diminui o tamanho do bezerro no nascimento.
 
Mito #4:
Eu testei minha forragem e ela continha 12% de proteína bruta.
 
Verdade sobre o mito # 4:
 
Para bovinos de corte e leite, ovelhas e cabras, a energia é muitas vezes o nutriente que limita o desempenho ideal, não a proteína. Assim, ao revisar sua análise de forragem, o conteúdo de energia deve ser revisado primeiro antes do conteúdo de proteína. O conteúdo energético da sua forragem não é determinado diretamente no laboratório. Ao longo dos anos, os nutricionistas aprenderam que quanto menor o teor de fibras (fibra em detergente ácido ou FDA) da planta, maior a digestibilidade, que por sua vez fornece mais energia à vaca. Ao analisar sua análise de forragem, sempre avalie os nutrientes na base da matéria seca (com toda a água removida). Assim, o número mais importante a ser analisado em uma análise forrageira é o teor de FDA ou FDN de uma forragem na base da matéria seca, não proteína bruta.

* Baseado no artigo Forage Myths Are Costly: Forage Quality Impacts Your Bottom Line, de Donna M. Amaral-Phillips - University Of Kentucky.

Mais informações: 
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

 

Você sabia que pode com um único valor mensal ter acesso ilimitado a esses e centenas de cursos online?

O EducaPoint é uma plataforma preparada para trazer a melhor estrutura em cursos online para ajudar você no seu agronegócio.

Invista no futuro do seu negócio com o EducaPoint