Fechar Precisa de ajuda?
Fechar
ATENDIMENTO ONLINE

PRECISA DE AJUDA?
TEM ALGUMA DÚVIDA?

Fale agora com um de nossos atendentes.
Das 8h às 12h e das 13h às 17h.

ENTRAR NO CHAT

BLOG

Postado em: 09/07/2019

Descubra como a nutrição pode impactar os sólidos do leite

O manejo adequado da alimentação do rebanho leiteiro pode melhorar a economia da produção e proporcionar uma vaca mais saudável. A nutrição de vacas leiteiras visando aumentar a produção de leite com níveis máximos de sólidos do leite é essencial para alcançar esses benefícios.

Os componentes sólidos do leite incluem gordura, proteína, lactose e minerais. Os valores normais para a gordura do leite variam de 3,7% (Holandesa) a 4,9% (Jersey); proteína do leite varia de 3,1% (Holandesa) a 3,8% (Jersey). A lactose é geralmente 4,6 a 4,8% para todas as raças e os minerais representam uma média de 0,74%.

Os produtores de leite concentram-se em maximizar a gordura do leite e o teor de proteína. As fórmulas atuais de precificação do leite enfatizam a gordura do leite. As porcentagens normais de gordura do leite também refletem boa saúde do rúmen e da vaca. Geralmente, dietas que causam baixo teor de gordura no leite também causam problemas nos pés (laminite), acidose e problemas no consumo de ração.

A proteína do leite tem valor econômico, pois maior teor de proteína leva a maiores rendimentos de queijo. Cada vez mais, o teor de proteína do leite está sendo enfatizado à medida que os diferenciais de preço da gordura do leite diminuem, isso acontece por conta da demanda do público por laticínios  que apresentem o produto com baixo teor de gordura.

Como os sólidos do leite podem ser alterados?

Fatores que afetam a composição do leite incluem genética, estágio da lactação, nível de produção de leite, idade da vaca, ambiente, doença (por exemplo, mastite) e nutrição. Cerca de 55% por cento da variação na composição do leite é devido à hereditariedade, enquanto 45% é por fatores ambientais, como o manejo da alimentação.

Geralmente, se a relação entre proteína e gordura do leite for inferior a 0,80 para a raça Holandesa, a redução da proteína é um problema. Quando essa relação é maior que 1,0, o rebanho sofre de queda da gordura do leite.

Porcentagem de proteína acompanha as mudanças no teste de gordura do leite, exceto durante períodos de queda da gordura e também quando altos níveis de gordura são fornecidos aos animais.

Estratégias nutricionais para maximizar os sólidos do leite

As diretrizes a seguir são críticas para maximizar a produção de leite corrigida por sólidos:

- Formulação adequada de ração;
- Máxima ingestão de ração;
- Monitoramento da composição da dieta (uso de forragem de rotina, análise de rações);
- Colheita e/ou compra de forragem de alta qualidade e alocação adequada dela; 
- Fornecimento adequado de proteínas, energia, fibras, minerais e vitaminas.
Mudanças nutricionais podem ocorrer rapidamente e são a melhor maneira de responder às mudanças nas demandas do mercado.

Confira a seguir algumas recomendações importantes do manejo nutricional para produzir altos níveis de sólidos de leite.
  • Maximize o consumo de alimentos pelas vacas

A importância de maximizar o consumo de alimentos está relacionada à minimização do balanço energético negativo durante o início da lactação. À medida que as vacas passam para um balanço energético positivo, o peso corporal é recuperado, as perdas no escore de condição corporal são minimizadas e as vacas produzem leite com composição normal de gordura e proteína.

O aumento do consumo de alimentos pode melhorar a proteína do leite em 0,2 a 0,3 unidades. Esse aumento no percentual de proteína do leite pode ser devido ao aumento geral na ingestão de energia balanceada, à medida que o consumo total de ração aumenta. As vacas leiteiras de alta produção devem ingerir de 3,6 a 4,0% do seu peso corporal diariamente como matéria seca.

Se um rebanho estiver consumindo menos matéria seca do que 3,5 a 4,0% do peso corporal, a produção de leite corrigido por sólidos pode ser limitada. Os principais fatores de que afetam o consumo de ração incluem:

- Manejo adequado do cocho (mantê-los limpos, sombreados durante o período quente e ter espaço adequado por vaca);
- Frequência de alimentação e sequência;
- Umidade da ração (50 por cento de umidade ou menos);
- Interações sociais (problemas de hierarquia quando novilhas e vacas maduras são misturadas em um grupo);
- Mudanças súbitas de ração; e
- Piso e ventilação adequados.

O aumento da frequência de alimentação aumenta o teor de gordura, especialmente com dietas com baixo teor de fibra e alto teor de grãos. A maior resposta é vista para dietas com menos de 45 por cento de forragem e quando o grão é fornecido separadamente. Quando as dietas são fornecidas na forma de rações mistas totais, a frequência de alimentação não é tão importante, desde que a ração permaneça palatável e seja fornecida pelo menos uma vez ao dia.
  • Forneça concentrados na quantidade adequada

O fornecimento adequado de concentrados envolve principalmente a manutenção correta da proporção entre ração e forragem e níveis de carboidratos não-fibrosos (CNF). Os carboidratos não fibrosos incluem amido, açúcares e pectina.
O nível é calculado da seguinte forma: NFC = 100 - (proteína bruta + fibra em detergente neutro + gordura + minerais).

Os carboidratos não-fibrosos devem variar entre 20% e 45%. Um nível de 40% a 45% é típico de dietas com menos de 40% de forragem.

Dietas com grandes quantidades de forragem de alta qualidade e grãos mínimos podem ser deficientes em carboidratos não-fibrosos. Fornecer os níveis adequados de CNF pode melhorar tanto a proteína quanto a gordura do leite, enquanto a superalimentação leva à queda da gordura do leite de uma unidade ou mais e frequentemente aumenta em 0,2 a 0,3 unidade.

A quantidade de grãos por alimentação deve ser limitada a 3,2 quilos para evitar acidose ruminal, queda no consumo e redução do teor de gordura do leite. Além disso deve ser limitado a um máximo de 13,5 a 16 quilos por vaca diariamente. Esterco que contém muito milho não digerido ou com pH menor que 6,0 indica que grãos ou carboidratos não fibrosos, estão sendo fornecidos incorretamente.

O processamento de grãos também pode influenciar a composição do leite. Milho em flocos pode aumentar a porcentagem de proteína do leite. Já a aveia diminui o percentual de proteína do leite em 0,2 unidade em comparação com a cevada. Geralmente, a cevada enrolada ou moída e o milho em flocos causam uma rápida e severa diminuição na gordura do leite quando fornecidos em excesso.

Subprodutos fibrosos, como a casca de soja, podem substituir os grãos ricos em amido e reduzir a gravidade da queda da gordura do leite. Pesquisas da Universidade de Nebraska indicam que as cascas de soja podem substituir 50% a 75% do milho em uma mistura concentrada para manter o teste normal da gordura do leite.
  • Atenda aos requisitos de fibra

O requisito de fibra da vaca leiteira consiste no nível e tamanho da partícula. Ambos contribuem para a eficácia de uma fonte de fibras para estimular a ruminação (mastigação lenta), a salivação e a manutenção da composição normal de gordura e proteína do leite.

Os níveis mínimos de fibra em detergente ácido (FDA) necessários na matéria seca da ração são de 19% a 21%. A fibra em detergente neutro (FDN) não deve ficar menos de 26% a 28%. Abaixo desses níveis, as vacas têm queda na gordura no leite, acidose, claudicação, flutuações crônicas na ingestão de ração e condições corporais ruins, especialmente no início da lactação.

Para assegurar o comprimento adequado de partículas, a forragem não deve ser cortada em menos de 3/8 polegadas (0,95 cm) de comprimento teórico de corte (TLC). Cortar mais fino do que isso pode diminuir drasticamente o percentual de gordura e aumentar a porcentagem de proteína do leite em 0,2 a 0,3 unidades. Assim como o fornecimento exagerado de CFN (concentrados ricos em amido), embora o teor de proteína do leite aumente, não é saudável para a vaca e para o rúmen.

Fornecimento de fibra inadequada não é recomendado para aumentar o teor de proteína do leite. Cerca de 75% da FDN em uma dieta deve vir de forragem longa ou grosseiramente picada para satisfazer plenamente o requisito de fibra da vaca.

Alimentações muito ricas em fibras (muito baixas em energia) limitam a produção de proteína porque não se consome energia suficiente. Geralmente, 40-50% de matéria seca de forragem em uma ração é a quantidade mínima para evitar o baixo teor de gordura no leite. Ao fornecer 65% ou mais de forragem, essa deve ser de alta qualidade para evitar deficiências de energia que diminuam a proteína.

Forneça quantidade adequada de proteína

Atender às exigências de vacas leiteiras para proteína bruta e by-pass é essencial para manter o teor normal de proteína do leite. Para uma vaca de 590kg produzindo 4% de gordura do leite, as necessidades de proteína bruta variam de 15% para 23kg de leite a 18% para vacas produzindo 50kg de leite. Para vacas no início da lactação (90 a 120 dias no leite), o nível de proteína by-pass deve variar de 33% a 40%. Atualmente, um requisito preciso não foi definido, mas ter pelo menos 33% de proteína by-pass (como porcentagem da proteína bruta) parece ser necessário para manter os níveis normais de proteína do leite.

Geralmente, o nível de proteína bruta da dieta afeta a produção de leite, mas não a porcentagem de proteína nele, a menos que a dieta seja deficiente em proteína bruta. Por exemplo, um produtor pode alimentar seu rebanho com uma proporção de proteína bruta de 14,5% quando a exigência é de 16,5%. Este rebanho provavelmente terá um baixo teor de proteína do leite. Esta situação ocorre frequentemente quando é fornecida forragem de má qualidade e o produtor não a testou para formular adequadamente uma mistura de grãos.

Além disso, o fornecimento excessivo de proteína bruta degradável, como a ureia, pode reduzir a proteína do leite. De forma geral, deve-se limitar o fornecimento de ureia para vacas com mais de 120 dias em lactação. A ureia deve perfazer apenas 1% a 2% da mistura de concentrado para manter a palatabilidade, e funciona melhor quando misturada na dieta, com uma ração mista total.
  • Suplementação de gordura e proteína do leite

A suplementação de gorduras tem se tornado cada vez mais comum nos rebanhos leiteiros de hoje. É necessário seguir algumas orientações ao fornecer gordura para evitar uma queda no nível de proteína do leite de 0,1 a 0,2 unidades. Se fornecida adequadamente, a gordura adicionada geralmente resulta em porcentagem de gordura do leite mantida ou levemente aumentada, relativamente pouca mudança no teor de proteína do leite e aumento na produção. O resultado líquido é que a produção total de proteína do leite e de sólidos não gordurosos aumenta.

Fornecer niacina em uma quantidade de 6 a 12g por dia, pode corrigir a queda da proteína do leite observada com altos níveis de gordura. Certifique-se de limitar a ingestão de gordura aos primeiros 120 dias de lactação, equilibrar a ração para carboidratos não fibrosos e proteína bruta, seguir os limites recomendados para fontes de gordura, fornecer níveis de forragem adequados e aumentar as concentrações de cálcio para 0,95% da matéria seca da ração e concentrações de magnésio a 0,35 por cento da matéria seca da ração. Níveis mais altos desses dois minerais neutralizam sua perda quando são fornecidos níveis mais altos de gordura.

Quer aprender mais sobre esse tema? Acesso o curso on-line Fatores nutricionais que afetam a composição de sólidos do leite, do EducaPoint.

Você pode fazer a aquisição do curso individualmente ou optar pela assinatura e ter acesso a todos os cursos da plataforma, que hoje já conta com 150 cursos! Clique aqui para saber mais informações sobre os planos de assinatura!

Mais informações:

contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

Fonte consultada:

Artigo: Feeding to Maximize Milk Solids, artigo de Richard J. Grant, especialista em extensão rural no setor de lácteos da Universidade de Nebraska-Lincoln (https://extension2.missouri.edu/g3110). 

Ficou com dúvidas, gostaria de sugerir de sugerir um tema ou saber mais sobre o educapoint? envie uma mensagem para nós:

ASSINE TODOS OS CURSOS OU COMPRE UM CURSO DE SUA PREFERÊNCIA
Rede Agripoint

Copyright © 2019 AgriPoint - Todos os direitos reservados

AgriPoint Serviços de Informação para o Agronegócio
CNPJ 08.885.666/0001-86

Rua Tiradentes, 848 - 12º Andar - Centro - Piracicaba - SP

design salvego.com - desenvolvimento d-nex

Uma empresa associada da abed
ENCONTRE-NOS: