BLOG

Postado em: 12/05/2020

Fatores que influenciam as chances de cura de mastite por Staphylococcus aureus - Parte 2/2

Na parte 1 desse artigo, foram discutidos os fatores relacionados à vaca que influenciam nas chances de cura de mastites causadas pela bactéria Staphylococcus aureus. Agora, serão discusitos fatores relacionados à bactéria em si, que também afetam o tratamento e as chances de um bom resultado.

Fatores relacionados à Staphylococcus aureus
 
Muitas cepas diferentes de Staphylococcus aureus existem, mesmo dentro do mesmo rebanho. Geralmente, uma cepa predomina à medida que o problema e novas pesquisas no nível do DNA sugerem muitas semelhanças nas cepas de Staphylococcus aureus que desempenham um papel importante na mastite em todo o mundo. Eles são altamente adaptados à sobrevivência dentro da vaca e a cura é improvável se os casos não forem identificados e tratados precocemente.

As características de cepas de Staphylococcus aureus que tornam essa mastite muito difícil de curar incluem:
 
1. Capacidade de se proteger da morte nos glóbulos brancos (células brancas do sangue ou "neutrófilos"). As bactérias realmente sobrevivem dentro delas, protegendo-as de muitos antibióticos. Quando a célula branca morre, as bactérias são liberadas para retomar o processo de infecção.
 
2. Capacidade de formar um biofilme ou "pseudocápsula" - uma "cobertura de lodo" que a protege do sistema imunológico e de antibióticos.
 
3. Capacidade de invadir células epiteliais mamárias, tornando-as inacessíveis a mecanismos de defesa imunológica e antibióticos.
 
4. Resistência antimicrobiana, especialmente à penicilina e antibióticos de ação semelhante.
 
A bactéria Staphylococcus aureus produz uma toxina que destrói as células e danifica os tecidos produtores de leite. Eles iniciam seu ataque danificando os tecidos que revestem as cisternas das tetas e glândulas e isso leva à formação de tecido cicatricial. As bactérias então se movem para dentro das células secretoras de leite para estabelecer bolsas profundas de infecção. Lá elas danificam permanentemente as células alveolares e ductais, reduzindo a produção de leite.

Isto é seguido pela formação de abcessos que atuam essencialmente como uma parede de tecido cicatricial ao redor da área infectada da glândula e impedem a propagação da bactéria. No entanto, essas "paredes" também não permitem que antibióticos destruam as bactérias. Os abcessos podem se tornar bastante grandes e detectáveis como nódulos que você pode sentir no úbere.

=> Aproveite para aprender muito mais sobre o tema no curso Como controlar a mastite em 3 passos. Você pode adquirir o curso individualmente ou assinar a plataforma EducaPoint, obtendo acesso a cerca de 180 cursos por um preço único! Saiba como assinar. 
 
As opções de tratamento para mastite clínica (leite anormal) e subclínica (leite com aparência normal, mas com alta contagem de células somáticas) envolvem uma ampla variedade de antibióticos. Como uma cepa de Staphylococcus aureus geralmente predomina em um rebanho, a submissão de amostras de leite para cultura e suscetibilidade é necessária para gerar "conhecimento em nível de rebanho" sobre com o que você está lidando. 
 
Muitas cepas de Staphylococcus aureus são consideradas “resistentes à penicilina”. As cepas “resistentes à penicilina” produzem beta lactamase, uma enzima que torna a penicilina e todos os outros medicamentos de ação semelhante inúteis na guerra contra a mastite. Estima-se que 30-70% das cepas de Staphylococcus aureus são resistentes à penicilina nos EUA, dependendo do método de medição utilizado.

Curiosamente, as cepas resistentes à penicilina têm muito menos probabilidade de responder a qualquer tipo de antibiótico. Pensa-se que os genes que codificam a resistência estejam localizados em seções do DNA que também auxiliam na sobrevivência contra todos os antibióticos. Portanto, a taxa de cura para todos os Staphylococcus aureus resistentes à penicilina é  considerada muito baixa e deve ser um fator importante na seleção dos casos a serem tratados.
 
Na tentativa de melhorar a resposta ao tratamento, vários experimentos foram realizados, estudando as vias de administração de antibióticos, a duração da terapia, as diferentes combinações de medicamentos e as terapias alternativas. Os resultados desses estudos indicam que a resposta ao tratamento contra Staphylococcus aureus é geralmente pobre, mas um raio de esperança é uma terapia estendida. A pesquisa confirmou que regimes de tratamento mais longos (5-8 dias) estão associados a uma maior probabilidade de cura. 
 
Em um grande estudo multinacional publicado por Deluyker et al (2005), a taxa de cura da mastite subclínica por Staphylococcus aureus foi de 6% para aqueles sem tratamento; 56% para 2 dias de tratamento com pirlimicina; e 86% por 8 dias de terapia com pirlimicina. 
 
Os benefícios da terapia prolongada incluem 1) maior proporção de cura, 2) diminuição da contagem de células somáticas, 3) menor risco de propagação e 4) melhor comercialização do leite. Estes devem ser pesados ??contra as desvantagens de 1) o preço do antibiótico, 2) perda de leite devido a longos períodos de abstinência, 3) aumento do risco de resíduos na carne e no leite e 4) potencial de causar mais mastite por infusões repetidas no canal do teto, especialmente com E. coli e Klebsiella.

Infelizmente, a relação custo-benefício para a maioria dos regimes de terapia prolongada é baixa. As terapias alternativas e/ou complementares, incluindo imunomoduladores e vacinas, não mostraram resultados consistentes e exigem mais estudos antes que recomendações possam ser feitas para seu uso.
 
A terapia da vaca seca é considerada mais econômica na eliminação do Staphylococcus aureus do que o tratamento de vacas em lactação, mas não se as infecções já se tornaram crônicas no final da lactação. Infecções “agudas” (início ou primeira vez) por Staphylococcus aureus podem se desenvolver a qualquer momento durante a lactação e causar um aumento na contagem de células somáticas, mas muitas vezes os sintomas clínicos do inchaço do úbere, dureza e alterações no leite não aparecem até o parto ou no início da próxima lactação. 
 
O tratamento dos quatro quartos com uma terapia de vaca seca disponível comercialmente ataca as bactérias com uma maior concentração de antibióticos por um longo período de tempo, aumentando a chance de cura bacteriana. No entanto, com a crescente pressão para fornecer leite com um tanque com baixa contagem de células somáticas, pode não ser possível esperar até a secagem para tratar a mastite subclínica.
 
É importante ter em mente que as decisões de tratamento relacionadas às vacas infectadas com Staphylococcus aureus vão além da vaca individual. Por ser contagioso e geralmente subclínico (o leite parece normal), os animais infectados representam um risco de infecção para as companheiras de rebanho a cada ordenha. A identificação de quartos que produzem leite com uma contagem de células somáticas alta e a cultura desse leite é o melhor procedimento para diagnosticar a mastite por Staphylococcus aureus
 
Tratamento ou seleção bem-sucedida de vacas infectadas por Staphylococcus aureus resultam em menos casos novos de mastite, menos leite jogado fora devido à antibioticoterapia, menor contagem de células somáticas no tanque e menor perda de produção de leite devido ao tecido glandular danificado.

* Baseado no artigo Staphylococcus aureus MastitisBacterial Characteristics and Treatment Choices that Influence the Chance of Cure, de Michelle Arnold, da Universidade de Kentucky.

Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082 
 

Ficou com dúvidas, gostaria de sugerir um tema ou saber mais sobre o EducaPoint? Envie uma mensagem para nós:

 
ASSINE TODOS OS CURSOS OU COMPRE UM CURSO DE SUA PREFERÊNCIA
Rede Agripoint

Copyright © 2020 AgriPoint - Todos os direitos reservados

AgriPoint Serviços de Informação para o Agronegócio
CNPJ 08.885.666/0001-86

Rua Tiradentes, 848 - 12º Andar - Centro - Piracicaba - SP

design salvego.com - desenvolvimento d-nex

Uma empresa associada da abed
ENCONTRE-NOS: