Características do fluxo de leite podem ser usados como biomarcadores de claudicação

Postado em: 13/09/2021 - 5 min de leitura

A claudicação tem um grande impacto na lucratividade do rebanho e no estado de saúde e bem-estar das vacas. A pesquisa atual está se concentrando no melhor uso das novas tecnologias como ferramentas para medir e monitorar o estado de saúde das vacas. Para aumentar a precisão da previsão da detecção automática de claudicação, as associações entre as variáveis independentes devem ser incluídas para o gerenciamento eficaz do desempenho e da saúde do casco das vacas leiteiras.
 
Em um estudo publicado recentemente na Agriculture (2021), os pesquisadores explicam como as características do fluxo do leite podem atuar como biomarcadores da claudicação em vacas leiteiras e o impacto da claudicação nas características do fluxo do leite. Em seu estudo, eles elaboram a relação entre as características do fluxo de leite e a claudicação. Os resultados de seu estudo anterior indicaram que a claudicação influencia a frequência das visitas das vacas ao sistema de ordenha automática, a produtividade das vacas e o intervalo entre as ordenhas.
 
O estudo
 
O objetivo deste estudo foi investigar a relação entre claudicação e características do fluxo de leite como biomarcadores de claudicação em vacas leiteiras. Para este estudo, foram selecionadas 73 vacas saudáveis e 55 vacas que estavam mancando. A claudicação foi diagnosticada por um veterinário local especializado, conforme o procedimento padrão. As propriedades de ordenha das vacas foram avaliadas duas vezes consecutivas - durante a ordenha noturna e matinal. As medições do fluxo de leite foram feitas por dois medidores de fluxo de leite móveis eletrônicos.
 
Tabela 1 - Características da produção de leite (kg) de vacas por estado de saúde


Claudicação e produção de leite
 
Todas as características de produção de leite (produção total de leite por ordenha; produção de leite durante o primeiro, segundo e terceiro minutos de ordenha) foram maiores nas vacas saudáveis em comparação com as vacas com claudicação (Tabela 1). “O aumento do estresse em vacas claudicando afetou o processo de ordenha - estimulação mais fraca do reflexo de ejeção do leite e, consequentemente, menor produção de leite em vacas claudicando”, disseram eles, concluindo que a produção de leite pode ser uma boa característica para uma melhor precisão de previsão de claudicação.
 
Estudos mostram que a condutividade elétrica do leite é um indicador adequado para mastite clínica e subclínica. A condutividade elétrica é determinada pela concentração de ânions e cátions. Por exemplo, se uma vaca sofre de mastite, a concentração de Na + e Cl− no leite aumenta, o que leva ao aumento da condutividade elétrica do leite do quarto infectado. Neste estudo, todos os indicadores de condutividade elétrica do leite (condutividade elétrica no maior fluxo de leite, condutividade elétrica durante o tempo inicial da ordenha, condutividade elétrica máxima após atingir a maior velocidade de ordenha) foram maiores em vacas com sinais de claudicação em comparação com vacas saudáveis.

=> Gosta do conteúdo? Você também pode gostar do conteúdo completo do curso Doenças de casco - estratégias para minimizar o problema. O curso pode ser adquirido individualmente ou você pode optar por assinar a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis (mais de 245!) por um preço único. Clique aqui para assinar.
 
Tempo de ordenha e características de velocidade
 
Todos os índices de duração da ordenha (tempo na produção total de leite, tempo para fluxo de leite de 0,5 kg/minuto, tempo da fase principal de ordenha, tempo na fase de platô, tempo na fase de declínio) foram maiores em vacas saudáveis durante a manhã e à noite em comparação com o grupo de claudicação durante os dois períodos de ordenha. Somente o tempo de inclinação no fluxo de leite de 0,5 kg/min até o alcance da fase de platô foi maior no grupo de claudicação. Por outro lado, os valores médios de todas as características de velocidade de ordenha foram levemente maiores em vacas saudáveis em comparação com vacas com claudicação.
 
Bimodalidade no fluxo de leite das vacas
 
A bimodalidade do fluxo de leite é definida como a ejeção do leite retardada no início da ordenha. A bimodalidade está associada ao tempo de atraso pré-ordenha e à preparação do teto e tem um efeito negativo na eficiência da ordenha, causando aumento no tempo da máquina de ordenha. A alta prevalência de bimodalidade na característica de fluxo de leite pode indicar problemas de saúde. Neste estudo, a análise mostrou que a bimodalidade do fluxo de leite foi estatisticamente associada de forma significativa ao estado de saúde das vacas. A prevalência de bimodalidade do fluxo de leite foi de 23,3% para as vacas saudáveis, enquanto para vacas com claudicação foi de 56,4%. Essa observação foi atribuída ao aumento do estresse em vacas aleijadas que afeta o processo de ordenha, resultando em uma estimulação mais fraca do reflexo de ejeção do leite.
 
Figura 1 - Concentração de cortisol (µg/dl) no sangue de vacas saudáveis (HL) e vacas com claudicação (LA)


Concentração de cortisol no sangue

A concentração de cortisol no animal pode ser um biomarcador valioso de estresse crônico. A dor causada pela claudicação pode atuar como um estressor no gado leiteiro. Os estressores adversos desencadeiam respostas das glândulas supra-renais, que por sua vez aumentam as concentrações de glicocorticoides, resultando em alta produção de cortisol. Neste estudo, o risco de claudicação foi claramente indicado por um aumento na concentração de cortisol no sangue: se este nível em vacas exceder 1 µg/dL, a probabilidade de identificar claudicação aumentou 4,9 vezes. O nível de cortisol no sangue no grupo saudável foi menor queno grupo com claudicação. Os pesquisadores enfatizaram que os níveis significativamente mais elevados de concentração de cortisol plasmático no grupo de claudicação podem estar associados ao estresse experimentado por esses animais e suas reações mais pronunciadas ao processo de ordenha. Eles acrescentaram que a relação negativa entre a produção de leite e a concentração de cortisol no sangue nas vacas com claudicação pode ser atribuída à deterioração da saúde e do bem-estar dos animais devido à claudicação. A concentração de cortisol no sangue foi associada positivamente com claudicação, bem como com a bimodalidade da curva de fluxo do leite.
 
 
Conclusão
 
 
Os pesquisadores concluíram que as características do fluxo do leite podem atuar como biomarcadores de claudicação em vacas leiteiras. Quando a análise de regressão logística binária multivariável foi conduzida, foi mostrado que a concentração de cortisol no sangue, a produção total de leite e a bimodalidade da curva de fluxo do leite podem ser usados para prever claudicação precoce. De todos os parâmetros estudados, o risco de claudicação foi mais claramente indicado por um aumento na concentração de cortisol no sangue; se esse nível ultrapassasse 1 µg/dL, a probabilidade de identificação de claudicação aumentava 4,9 vezes.
 
* Baseado no artigo Milk flow traits as biomarkers of lameness, de Matthew Wedzerei.
 
Mais informações: 
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082 

O objetivo deste curso, ministrado pelo médico veterinário Péricles R. Lacerda e Silva, Especialista em Podologia Bovina, é apresentar as principais medidas de manejo que ajudam a prevenir as lesões podais em bovinos.

Você sabia que pode com um único valor mensal ter acesso ilimitado a esses e centenas de cursos online?

O EducaPoint é uma plataforma preparada para trazer a melhor estrutura em cursos online para ajudar você no seu agronegócio.

Invista no futuro do seu negócio com o EducaPoint