BLOG

Postado em: 08/09/2020

Efeitos dos probióticos na saúde e produtividade dos bezerros

Probióticos são definidos como microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefício à saúde do hospedeiro. Nos últimos anos, tem havido uma enorme quantidade de pesquisas sobre os benefícios potenciais dos probióticos para a saúde em humanos. Aproximadamente 10.000 artigos foram publicados desde 2008 sobre esse tópico apenas em humanos, sem incluir aqueles que foram publicados sobre o uso de probióticos em outras espécies animais. 
 
O principal objetivo dos probióticos é melhorar a saúde intestinal, estimulando o desenvolvimento de uma microbiota saudável (pré-dominada por bactérias benéficas), evitando que patógenos entéricos colonizem o intestino, aumentando a capacidade digestiva, diminuindo o pH e produzindo metabólitos. Esses efeitos resultam em melhores defesas e imunidade da mucosa. (Microbes Environ. Vol. 30, No. 2, 126-132, 2015)
 
O desenvolvimento imunológico normal do bezerro depende da microbiota da mãe, do ambiente em que o bezerro nasce, da ingestão de colostro, dos tipos de alimentos que o bezerro come, da exposição precoce a patógenos, e o uso de antibióticos. Como resultado, a microbiota varia significativamente dependendo desses fatores individuais, de bezerro a bezerro, bem como de fazenda para fazenda. O objetivo de qualquer produto probiótico é estimular o desenvolvimento de uma microbiota saudável e não interferir ou alterar a microbiota ao inibir o desenvolvimento de organismos que comprovadamente são benéficos para os filhotes.
 
A microbiota é muito dinâmica e está em constante mudança, dependendo dos fatores descritos acima que estão envolvidos no desenvolvimento do microbioma. A microbiota humana tem sido intensamente estudada, e até agora foram isoladas mais de mil espécies bacterianas diferentes. A microbiota humana pesa de 1,3 a 2,2 quilos, as células microbianas superam nossas próprias células em 10 para 1 e o DNA da microbiota supera o nosso próprio DNA em 100 para 1. Não há razão para não assumir que existe uma relação semelhante em animais. Isso realmente coloca as coisas em perspectiva no que diz respeito à enorme influência que a microbiota tem sobre todos os animais, e a importância de manter uma microbiota saudável.
 
Inúmeros estudos têm sido realizados sobre a influência dos probióticos na microbiota de bezerros jovens, com resultados conflitantes. Como a microbiota é tão diversa de animal para animal e de fazenda para fazenda, não se esperaria receber resultados semelhantes de todos os estudos realizados. As fórmulas probióticas para administração em bezerros estão no mercado há muitos anos. A maioria das fórmulas utilizadas foi colocada no mercado sem pesquisa suficiente em bezerros, e muitas vezes aplicou a pesquisa realizada em humanos ao uso em bezerros, assumindo que resultados semelhantes seriam obtidos. Além disso, muitas dessas fórmulas probióticas contêm apenas uma espécie específica de microrganismo. Estudos em humanos apoiam fortemente o uso de múltiplas cepas de microrganismos, uma vez que a microbiota é muito diversa, tornando importante a escolha de múltiplas cepas que são predominantes em número e têm maior influência na melhoria da microbiota e suas funções. Como mencionado anteriormente, a microbiota do bezerro jovem é diferente da do adulto e muda constantemente à medida que o animal amadurece. Essas alterações devem ser levadas em consideração quando um produto probiótico é formulado para bezerros jovens.
 
Muitos dos produtos probióticos contêm apenas uma espécie de bactéria. Há algumas pesquisas que mostram que uma única cepa produziu resultados positivos, mas era variável. Obviamente, isso se deve à diversidade da microbiota. Assim, é possível que um produto funcione em uma fazenda e não apresente nenhum efeito em outra. Tal como acontece com os humanos, há uma quantidade crescente de pesquisas sobre a microbiota em bezerros jovens e em ruminantes adultos. Quando esta pesquisa for concluída, mais informações serão disponibilizadas sobre a formulação de produtos probióticos que seriam benéficos para o bezerro.
 
A maioria das pessoas não percebe a importância da microbiota do ponto de vista nutricional. Essas bactérias são muito importantes no bezerro jovem, auxiliando na digestão e na utilização dos nutrientes consumidos durante esse período. Mesmo que o bezerro não consuma e não deva consumir grandes quantidades de ração starter em idade precoce, o que é consumido não é utilizado de forma eficiente no rúmen e passa para o intestino. A microbiota intestinal é essencial na digestão e utilização de oligossacarídeos vegetais e fibras nesses bezerros, antes do desenvolvimento de um rúmen totalmente funcional. Se a microbiota do bezerro jovem não estiver bem desenvolvida, ou for alterada por outros fatores, isso resultará em uma diminuição na disponibilidade dos nutrientes na ração consumida. Isso obviamente resultará em uma diminuição no ganho médio diário e na eficiência alimentar.
 
=> Saiba mais sobre esse assunto no curso Nutrição de vacas leiteiras - suplementação com aditivos. O curso é exclusivo para assinante da plataforma EducaPoint. Clique aqui para assinar
 
Existem efeitos adversos do uso de antibióticos na microbiota. Isso inclui a administração oral e sistêmica de antibióticos, bem como os antibióticos que estão presentes no leite não comercializável. Se o tratamento com antibióticos for necessário, então este seria um momento apropriado para o uso de probióticos. Visto que a pasteurização não destrói os antibióticos, o leite não comercializável não deve ser fornecido aos bezerros. Se o leite não vendável estiver sendo fornecido, seria aconselhável usar probióticos para tentar manter uma microbiota funcional tanto quanto possível enquanto o bezerro está sendo alimentado com leite não vendável.
 
Existem produtos “Direct Fed Microbial” (DFM) no mercado que são solúveis em leite e, na maioria dos casos, seriam especialmente benéficos se leite hospitalar fosse fornecido aos bezerros. Para determinar se esses produtos são benéficos, os bezerros devem ser monitorados de perto e as informações relacionadas à incidência de doenças e aos tratamentos devem ser inseridas em seus registros de computador. Além disso, é extremamente útil ter pesos ao nascer e pesos ao desmame para ajudar a determinar o sucesso do programa de nutrição dos bezerros e se há uma melhora real na saúde e ganho médio diário de bezerros que estão sendo alimentados com um produto probiótico.
 
O processo de desmame pode ter um grande efeito adverso na microbiota do bezerro. Sempre haverá grandes mudanças na microbiota quando o bezerro passa do leite altamente digerível para o alimento seco menos digerível. Essas mudanças na microbiota levam tempo para ocorrer, tornando um processo de desmame monitorado de perto extremamente importante quando se trata de permitir que essas mudanças ocorram gradualmente. O desmame de baixo impacto é absolutamente essencial para minimizar os efeitos adversos sobre a saúde e o ganho médio diário do bezerro. 
 
Os protocolos de desmame, que utilizam a interrupção de uma alimentação por dia como primeira etapa do processo de desmame, não devem ser usados. Isso faz com que o bezerro consuma uma quantidade maior de ração no dia seguinte, quando não recebe aquela alimentação com leite. O aumento do volume de amido que entra no rúmen do bezerro jovem resulta em acidose clínica ou subclínica. Isso resultará em uma alteração significativa na microbiota, levando a um aumento da suscetibilidade do bezerro à colonização de bactérias patogênicas, resultando em um aumento da diarreia e de doenças respiratórias, um desfecho comum em bezerros pós-desmame.
 
O processo de desmame é uma transição importante para o bezerro, equivalente à transição da vaca seca para o animal em lactação. O processo de desmame deve ter um grande foco no manejo neste momento para permitir a adaptação gradual do bezerro à ração seca, e dar à microbiota tempo suficiente para ajustar as populações de microrganismos que necessários para manter a utilização eficiente de nutrientes bem como a saúde do trato gastrointestinal. O bezerro deve ser mantido com essa quantidade de leite até que esteja consumindo ração suficiente para atender às suas necessidades nutricionais à medida que o leite é gradualmente reduzido. 
 
Esse processo levará um total de 12 dias para ser concluído. Isso dará à microbiota o tempo necessário para ajustar gradualmente suas populações bacterianas da dieta líquida para a ração seca. Programas de desmame mais curtos provavelmente resultarão em grandes flutuações na população da microbiota como resultado de acidose clínica ou subclínica. O período de desmame também seria um momento em que os probióticos seriam benéficos para tentar manter uma microbiota saudável durante as mudanças no rúmen e no pH intestinal, bem como no substrato alimentar.
 
Como a microbiota está em constante mudança e é afetada por tantos fatores ambientais e mudanças na alimentação, bem como doenças e uso de antibióticos, faria sentido utilizar um probiótico de boa qualidade enquanto o bezerro está no leite e durante o processo de desmame. Novamente, a única maneira de determinar se o probiótico selecionado está tendo um efeito positivo na saúde e na eficiência alimentar dos bezerros é monitorar os resultados, registrando com precisão os eventos de saúde e ganhos de peso.
 
Além dos probióticos e produtos microbianos de alimentação direta que já estão no mercado há algum tempo, existe uma nova geração de probióticos que são projetados para combater doenças específicas. Como exemplo, várias amostras de esterco são coletadas em uma fazenda individual e as espécies patogênicas de Clostridia são isoladas dessas amostras por cultura. As espécies de Clostridia foram determinadas como específicas para aquela operação, da mesma forma que a microbiota é semelhante na mesma fazenda. A Clostridia sp. são cultivadas em cultura com milhares de cepas diferentes de Bacillus subtilus para descobrir quais cepas de B. subtilus produzem bacteriocinas que são tóxicas para Clostridia sp., resultando em sua morte. Uma vez determinadas essas cepas específicas de B. subtilus, elas podem ser cultivadas em laboratório e produzidas em grandes quantidades para serem adicionadas à ração dos animais, reduzindo assim o número de Clostridia sp patogênicos. na fazenda. Isso resulta em uma diminuição significativa no número de animais doentes e mortos que sucumbem a infecções por Clostridia.
 
É provável que, no futuro, existam mais produtos probióticos projetados para atacar patógenos específicos que estão causando morbidade e mortalidade significativas em fazendas leiteiras. Isso também resultará em uma diminuição no uso de antibióticos e na redução da incidência de bactérias resistentes aos antibióticos na fazenda.
 
Os probióticos costumam ser vistos como não muito efetivos e, em alguns casos, podem não ter tido efeitos positivos. No entanto, à medida que novas pesquisas são publicadas, tanto em humanos quanto em animais, está rapidamente se tornando mais evidente o quão essencial é manter uma microbiota saudável, especialmente em bezerros jovens. Empresas conceituadas agora estão produzindo produtos probióticos de qualidade superior, que contêm várias cepas de bactérias e estão produzindo resultados positivos nos animais para os quais estão sendo fornecidos. Ainda assim, é importante monitorar cuidadosamente os resultados do probiótico que você decidir usar para ter certeza de que está recebendo o retorno do seu investimento, bem como os resultados que você espera em saúde melhorada, ganho de peso, eficiência alimentar e produtividade.
 
* Baseado no artigo The Effects of Probiotics on Calf Health and Productivity, de Robert B Corbett DVM, PAS.
 
Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

Ficou com dúvidas, gostaria de sugerir um tema ou saber mais sobre o EducaPoint? Envie uma mensagem para nós:

 
ASSINE TODOS OS CURSOS OU COMPRE UM CURSO DE SUA PREFERÊNCIA
Rede Agripoint

Copyright © 2020 AgriPoint - Todos os direitos reservados

AgriPoint Serviços de Informação para o Agronegócio
CNPJ 08.885.666/0001-86

Rua Tiradentes, 848 - 12º Andar - Centro - Piracicaba - SP

design salvego.com - desenvolvimento d-nex

Uma empresa associada da abed
ENCONTRE-NOS: