BLOG

Postado em: 10/08/2020

É possível produzir mais gordura no leite do seu rebanho leiteiro?

As indústrias de laticínios tendem, cada vez mais, a remunerar o litro de leite ao produtor com base na sua qualidade. Entre os principais critérios utilizados para calcular o valor final do litro de leite está o teor de gordura. Assim, produzir com eficiência a gordura do leite será fundamental para a receita do produtor de leite. Este artigo revisa algumas áreas para avaliar quais influenciam o percentual e o rendimento de gordura do leite.
 
Fatores fora de seu controle imediato
 
Alguns fatores que influenciam o teor de gordura da manteiga no leite não são controláveis, mas o manejo pode diminuir seu efeito na porcentagem de gordura da manteiga. Alguns desses fatores incluem o seguinte:
 
Raça: Um exemplo que muitas vezes vem à mente se refere à raça de vacas em seu rebanho. Geralmente, as Holandesas produzem leite com uma porcentagem menor de gordura e proteína do que outras raças de leite puro-sangue ou mestiços. No entanto, o percentual de gordura de manteiga é altamente herdável e pode ser alterado através de práticas de seleção genética. Inseminar vacas com sêmen de touros com componentes mais altos influencia positivamente o conteúdo de gordura da manteiga e, finalmente, está sob a seleção ou controle do produtor, mas leva alguns anos para mudar.
 
Vacas com maior produção: As vacas com maior produção podem ter uma porcentagem menor de gordura do leite, mas contribuem com mais quilos totais de gordura para o tanque, devido ao maior rendimento total.
 
Estágio da lactação: As vacas em lactação precoce dentro de 60 a 90 dias em lactação geralmente apresentam o menor percentual de gordura no leite. No entanto, essas vacas estão em seu pico de produção e, portanto, a produção total de gordura reflete sua maior produção total de leite.
 
Época do ano: O teor de gordura do leite é geralmente o mais baixo no verão. Parte dessa resposta está relacionada à duração do dia. No entanto, as temperaturas e a umidade ambientais mais altas resultam em estresse térmico nas vacas. Vacas estressadas pelo calor comem menos e produzem menos leite junto com um teor reduzido de gordura, reduzindo ainda mais o rendimento total de gordura. O espaçamento adequado, o manejo de rotina e o uso correto de ventiladores e aspersores podem ajudar a reduzir esses efeitos.
 
Práticas de manejo que afetam a gordura do leite
 
Felizmente, boas práticas de manejo podem ajudar a melhorar ou otimizar o rendimento da gordura do leite.
 
Gerenciar o estresse térmico: Embora não possamos controlar as temperaturas e a umidade do ambiente, podemos ajudar as vacas em lactação e as vacas secas a permanecerem o mais frescas possível durante os meses de verão. A manutenção rotineira dos ventiladores, que inclui limpeza das pás dos ventiladores, substituição das correias dos ventiladores e avaliação do posicionamento e localização dos ventiladores, deve ser concluída pelo menos antes dos períodos mais quentes do ano. O uso de métodos de resfriamento evaporativo, ou seja, aspersores de água e ventiladores nos cochos e nas baias de retenção ajuda a melhorar a ingestão e diminuir o estresse térmico.
 
Evitar a superlotação: a superlotação aumenta a concorrência pelo acesso ao cocho e ao uso de free stalls. Ambos aumentam o estresse para a vaca. A superlotação no cocho resulta em refeições maiores e menos ingestão uniforme de ração ao longo do dia. Ambos os fatores influenciam negativamente o ambiente ruminal que pode diminuir o rendimento de gordura do leite.
 
As vacas precisam de 12 a 14 horas de descanso diariamente: tempo de uma vaca deve ser mantido e ser consistente, tanto quanto possível, diariamente. As vacas em lactação não devem ficar afastadas do curral por mais de uma hora de cada vez para serem ordenhadas e devem gastar um tempo mínimo em troncos para práticas gerais de manejo, como detecção de cio ou verificações de saúde e reprodutivas. Instalações confortáveis ??ou área para vacas deitar e ruminar é importante. A ruminação a tamponar o conteúdo ruminal e tem um efeito positivo na síntese da gordura do leite.

=> Quer aprender mais? Acesse o conteúdo completo do curso Fatores nutricionais que afetam a composição de sólidos do leite. O curso pode ser adquirido individualmente ou você pode optar por assinar a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis (mais de 190!) por um preço único. Aproveite que este curso está em promoção!
 
Protocolos de alimentação que afetam a gordura do leite
 
Além dos ingredientes usados ??nas rações, o manejo do programa de alimentação pode afetar a “saúde” do rúmen.
 
Práticas em rebanhos alimentados com TMR: A chave é ter uma mistura de TMR uniforme e que impeça ou minimize a seleção pelas vacas alimentadas com a dieta. A mistura não deve estar excessivamente misturada. As forragens longas devem ser processadas para que, quando fornecidas, o feno seja distribuído uniformemente por todo o cocho e tenha consistentemente a largura do focinho de uma vaca. Para atingir esse objetivo, as facas da TMR precisam estar afiadas e não desgastadas, as os alimentos precisam ser adicionados na ordem correta ao centro do misturador e as balanças precisam estar calibradas. Quantidades precisas e consistentes de cada alimento precisam ser adicionadas a cada lote e aos lotes alimentados em diferentes dias ou refeições. O misturador precisa estar funcionando corretamente. Para evitar que os alimentos se aqueçam, os alimentos/forragens úmidos devem ser removidos do armazenamento e adicionados ao misturador no momento da alimentação. As vacas devem ser alimentadas pelo menos duas vezes ao dia, especialmente durante as partes mais quentes do ano. O objetivo é minimizar a seleção e garantir que a vaca tenha fator de mastigação suficiente na dieta para permitir a produção adequada de ruminação e saliva para ajudar a manter o pH do rúmen.
 
Componentes da alimentação do rebanho: A alimentação de grandes quantidades de grãos, superior a 2,7 quilos por janela de 4 horas, pode diminuir o pH do rúmen e diminuir a porcentagem de gordura do leite e, portanto, o rendimento. O fornecimento do feno uma hora antes do grão ajudará a manter o teor de gordura.
 
Alimentação prontamente acessível: empurrar a alimentação a cada 30 minutos nas primeiras 2 horas após a saída da alimentação também ajudará a aumentar a porcentagem de gordura do leite. É necessário empurrar a ração várias vezes diariamente para ajudar as vacas a chegarem rapidamente à ração. Não deixe o cocho ficar vazio antes da próxima alimentação. As quantidades de ração fornecidas precisam ser ajustadas a cada ração para refletir o número de vacas e os padrões de ingestão de vacas. As vacas geralmente comem menos durante o verão e comem mais à noite do que durante o dia.
 
Minimize a seleção pelas vacas: A chave é fazer com que as vacas consumam a dieta nas proporções equilibradas pelo seu nutricionista.
 
O manejo e a composição da dieta afetam a gordura do leite
 
As bactérias e os protozoários do rúmen digerem fibras, amidos e açúcares encontrados na dieta de uma vaca leiteira. As bactérias que digerem as fibras gostam de um pH mais alto do que as que digerem amidos e açúcares. Para que ambos os tipos de bactérias produzam produtos que a vaca usa para produzir gordura e proteína do leite, é importante manter um pH um tanto consistente e ótimo. Essencialmente, o pH do rúmen deve passar um tempo mínimo abaixo de 5,8. Alguns nutricionistas se referem a essa abordagem como "manter um rúmen saudável" na população de bactérias e outros microrganismos. Os nutricionistas tentam equilibrar as rações de modo que as bactérias do rúmen produzam produtos que a vaca usa para produzir componentes do leite e não aqueles que dificultam a síntese de gordura no leite.
 
Quantidade de amido: Devem ser fornecidas quantidades adequadas, mas não excessivas, de amido. Além disso, lembre-se de que a digestibilidade do amido muda à medida que a silagem de milho ou o milho de alta umidade sofrem fermentação e armazenamento. A digestibilidade do amido nesses alimentos aumenta com o tempo de armazenamento. A silagem de milho colhida e depois fornecida um mês após a colheita não é a mesma que a fornecida seis meses depois.
 
Quantidades adequadas, mas não excessivas de fibra: São necessárias quantidades adequadas de fibra para apoiar a ruminação ou a mastigação. Quando as vacas ruminam, elas secretam saliva que tamponam o rúmen. Isso ajuda a manter um pH favorável e um "rúmen saudável".
 
Composição da dieta: Dietas mais ricas em  silagem de milho ou aquelas que incorporam forragem imatura correm maior risco de porcentagens mais baixas de gordura do leite. As quantidades e tipos totais de ácidos graxos insaturados encontrados nesses alimentos e grãos podem aumentar o risco de um menor teor de gordura do leite.
 
Conteúdo de gordura da dieta: quando o conteúdo de gordura do leite está baixo, uma solução proposta pode ser adicionar mais gordura à dieta, mas esteja ciente das consequências de adicionar muita gordura. Quando fornecer gorduras lembre-se  que muita gordura pode fazer com que os microrganismos e as partículas da forragem fiquem revestidos de gordura. Além disso, os tipos de gorduras fornecidas podem ter um impacto negativo no rúmen e resultar em uma depressão na síntese de gordura do leite no úbere. Resumindo, nem todas as gorduras são iguais e adicionar mais gordura pode piorar a situação, dependendo da dieta original.
 
Conclusão
 
Manter essas dicas em mente ao alimentar e administrar seu rebanho pode ajudar a garantir ou pelo menos minimizar diminuições e otimizar a produção de gordura do leite e, consequentemente, a renda bruta do leite. As reduções na gordura do leite podem ocorrer dentro de um curto período de tempo, ou seja, uma ordenha, mas uma vez que o  fator ou os fatores que influenciam a queda são corrigidos, pode levar duas semanas ou mais antes que o percentual e o rendimento da gordura do leite sejam corrigidos. Implementar práticas saudáveis ??de alimentação e manejo que reduzam o estresse e ajudem a manter uma população microbiana ruminal saudável são os pilares para otimizar a síntese de gordura do leite.
 
* Baseado no artigo Can You Get More Pounds of Milk Fat from Your Dairy Herd?, de Thomas Sumner e Donna M. Amaral-Phillips, da Universidade de Kentucky

Mais informações
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

Ficou com dúvidas, gostaria de sugerir um tema ou saber mais sobre o EducaPoint? Envie uma mensagem para nós:

 
ASSINE TODOS OS CURSOS OU COMPRE UM CURSO DE SUA PREFERÊNCIA
Rede Agripoint

Copyright © 2020 AgriPoint - Todos os direitos reservados

AgriPoint Serviços de Informação para o Agronegócio
CNPJ 08.885.666/0001-86

Rua Tiradentes, 848 - 12º Andar - Centro - Piracicaba - SP

design salvego.com - desenvolvimento d-nex

Uma empresa associada da abed
ENCONTRE-NOS: