Fechar Precisa de ajuda?
Fechar
ATENDIMENTO ONLINE

PRECISA DE AJUDA?
TEM ALGUMA DÚVIDA?

Fale agora com um de nossos atendentes.
Das 8h às 12h e das 13h às 17h.

ENTRAR NO CHAT

BLOG

Postado em: 31/01/2019

Curva de lactação: é possível produzir mais leite?

A confecção de curvas de lactação a partir da produção de todos os animais em cada controle durante o decorrer de suas lactações oferece uma possibilidade muito valiosa de analisar a variação da produção de leite de acordo com o estágio de lactação.

A curva de lactação típica de uma vaca leiteira apresenta inicialmente uma fase ascendente, ou seja, quando as produções diárias estão aumentando. Ao redor do segundo mês de lactação, alcança-se o ponto de máxima produção, chamado de pico. Depois disso, ocorre uma longa fase descendente, que é determinada pela persistência da lactação.

Portanto, existem essencialmente três fatores chave que determinam a quantidade de leite que uma vaca produz durante uma lactação:

1) Pico de produção ou altura da curva

2) Persistência, que é o grau de declínio pós pico

3) Período de lactação, que seria o comprimento da curva de lactação

Confira a curva tradicional de leite de uma vaca leiteira:



Fonte: Material promocional da Elanco

Nota-se que, nesse exemplo, a lactação tem 10 meses, porque essa vaca foi inseminada a 90-120 dias pós-parto. Consequentemente, essa vaca nessa situação hipotética teria um intervalo entre partos de 12 meses. Assim, como mostra o gráfico, aos 10 meses a lactação é interrompida, propiciando um período seco de 60 dias.

Pico de produção

É definido como o volume de leite produzido no dia de maior produção para uma dada lactação. Normalmente, o pico de produção ocorre entre 45 e 60 dias após o parto em vacas de raças europeias. Já nas raças mestiças ou zebuínas, o pico de produção ocorre aos 30 dias após o parto.

A importância do pico de produção é que é um fator determinante para o potencial de desempenho durante toda a lactação. Isso se deve ao fato de as curvas de lactação, comparando-se diferentes níveis de produção, dentro do mesmo grupo, são essencialmente paralelas, ou seja, se através de manejo, alimentação, conforto for propiciado à vaca que tenha um, dois, três litros a mais no pico, essa produção adicional no dia de máxima produção será estendida ao longo da lactação.

Há, inclusive, um “macete” que muitos técnicos e especialistas em gado leiteiro afirmam de que vacas que produzem um quilo a mais de leite no pico, normalmente, por conta dessa extensão, produzem 200 quilos a mais de leite na lactação inteira.

Persistência de lactação

A persistência mede o quão bem a produção de leite é mantida durante o decorrer da lactação. Os valores de persistência são fortemente influenciados pelo grupo de parição das vacas, ou seja, as vacas mais jovens, novilhas de primeiro parto, apresentam curvas de lactação que têm pico menor, mas são mais persistentes. Isso significa que são curvas de lactação mais planas do que as curvas de vacas adultas.

Estudos mostram que primíparas têm uma taxa de declínio na curva de lactação de 0,03 quilos de leite por dia. As vacas de segundo parto, por sua vez, tem uma taxa de declínio de 0,07 quilos de leite por dia. Finalmente, as vacas de três ou mais partos ou multíparas, têm uma taxa de declínio de 0,08 quilos de leite por dia.

Isso evidencia que as vacas mais velhas produzem mais leite porque têm picos maiores, mas basicamente após o pico, a taxa de declínio na produção é mais acelerada na vaca adulta do que na jovem.

Uma curva de lactação mais plana pode ser de interesse econômico por muitas razões. Uma delas é que as vacas serão mais facilmente alimentadas, já que o pico de produção de leite não será tão alto. Além disso, o estresse fisiológico provocado pelas altas produções no início da lactação é diminuído e o balanço energético negativo menos pronunciado traz menos desafios ao retorno à atividade reprodutiva.

Entretanto, esse é um assunto polêmico, já que outros pesquisadores argumentam que o aumento da persistência sacrifica o pico de produção e a produção total de leite na lactação.

A aplicação da somatotropina bovina (BST) é uma ferramenta utilizada para aumentar a persistência de lactação sem afetar o pico, até porque, esse produto normalmente é usado pós-pico de produção de leite.

Para saber mais sobre o período de lactação, confira o artigo Período de lactação e dias em leite: como interpretar corretamente esses índices zootécnicos?

Se quiser entender mais sobre os índices zootécnicos e produtivos, além de aprender a mensurar e interpretar os resultados produtivos de uma propriedade leiteira e os índices relacionados à composição do leite, acesso o conteúdo completo do curso on-line Índices de produtividade leiteira e composição do leite.

O curso faz parte da plataforma EducaPoint, que já oferece mais de 130 cursos diferentes! O melhor de tudo é que você pode garantir o acesso a esse curso e a todos os outros com apenas uma assinatura! Confira aqui como fazer isso. Quase toda semana são adicionados novos cursos e todos são automaticamente incluídos na assinatura.

Mais informações:

contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082 
www.educapoint.com.br
Baixe o aplicativo para celular

Dúvidas, críticas ou sugestões de temas? Envie um e-mail para  contato@educapoint.com.br

Ficou com dúvidas, gostaria de sugerir de sugerir um tema ou saber mais sobre o EducaPoint? Envie uma mensagem para nós:

Enviar

Você está procurando soluções para público corporativo?

Cursos fechados ou vagas para grandes turmas

VEJA NOSSAS SOLUÇÕES
Rede Agripoint

Copyright © 2019 AgriPoint - Todos os direitos reservados

AgriPoint Serviços de Informação para o Agronegócio
CNPJ 08.885.666/0001-86

Rua Tiradentes, 848 - 12º Andar - Centro - Piracicaba - SP

design salvego.com - desenvolvimento d-nex

Uma empresa associada da abed
ENCONTRE-NOS: