Fechar Precisa de ajuda?
Fechar
ATENDIMENTO ONLINE

PRECISA DE AJUDA?
TEM ALGUMA DÚVIDA?

Fale agora com um de nossos atendentes.
Das 8h às 12h e das 13h às 17h.

ENTRAR NO CHAT

BLOG

Postado em: 04/10/2018

Como se classificam os custos de produção na pecuária leiteira e porque isso é importante

Todo ano o MilkPoint realiza com seus leitores uma pesquisa para saber qual o maior desafio da produção no ano. Desde 2011, os leitores indicam como principal desafio do setor: o custo de produção.

Não há dúvidas que para melhorar as margens de lucratividade na atividade leiteira é preciso controlar os custos e saber exatamente onde é preciso realizar mudanças para melhorar a eficiência do negócio.

Mas, afinal, você sabe definir exatamente o que é custo de produção?

Existem várias definições de diferentes autores sobre esse tema. Custo de produção é referido como o valor de bens e serviços consumidos na produção de outros bens ou serviços.

Além disso, o custo de produção também é citado como a soma dos valores de todos os recursos que contemplam insumos e serviços utilizados no processo produtivo.

Outra definição importante de custo de produção é: todos os pagamentos em dinheiro feitos por uma fazenda, bem como as despesas implícitas.

Assim, tudo o que se usa em um processo produtivo deve ser computado como custo de produção.

Itens mais lembrados pelos produtores

Se você for fazer uma lista agora sobre quais são seus custos de produção, provavelmente, ela conterá os seguintes itens:

- combustível/óleo;
- medicamentos/vacinas;
- alimentação dos animais;
- materiais de limpeza/higiene da propriedade;
- assistência técnica;
- energia elétrica;
- impostos/juros;
- mão de obra;
- custo com pastagem.

Normalmente, esses são os itens mais lembrados e citados pelos produtores. Isso porque eles se tratam de desembolso efetivo de dinheiro, ou seja, o produtor realmente paga um valor monetário quando consome esses produtos.

Outros itens importantes

No entanto, além desses itens que são lembrados facilmente, podemos citar outros como:

- depreciação;
- custo de oportunidade;
- juros;
- pró-labore;
- conservação e reparos.

Esses custos já são muito menos lembrados pelos produtores rurais no momento de levantar os custos de produção.

Esclarecendo conceitos

Existem alguns conceitos que precisam estar muito claros quando se faz o levantamento do custo de produção de uma fazenda;

1) Gasto: representa o esforço para a aquisição de bens ou serviços. É o momento da compra.
2) Desembolso: pagamento realizado por um bem ou serviço. É a saída de dinheiro.
3) Despesa: é o esforço realizado para gerar receita. Ela não tem uma ligação direta com o produto final produzido no processo, sendo suporte para o funcionamento da empresa. Difere do custo, porque a despesa ocorre mesmo que um produto não seja produzido.
4) Investimento: gasto efetuado para gerar um benefício futuro.

Classificação dos custos de produção

Existem 5 diferentes tipos de classificação dos custos de produção e conhecê-los é essencial para que você faça a escolha correta na hora de calcular seu custo de produção. Confira abaixo:

1) Ocorrência do processo produtivo no momento do cálculo: a priori ou a posteriori

Para compreender melhor, considere o seguinte caso: uma propriedade leiteira que deseja colocar mais 5 hectares de módulo de pastagem irrigada. Para isso, o produtor fará um levantamento dos materiais necessários, da mão de obra, fazendo um orçamento, que seria o custo para levantar esse módulo.

Agora, considere um segundo caso: um produtor que quer fazer um levantamento do custo com limpeza em um mês em sua propriedade. Nesse caso, ele coletará todas as notas fiscais dos produtos que foram comprados, registra em uma planilha, calculando quanto já desembolsou.

Deu para notar a diferença entre o primeiro e o segundo caso? No primeiro caso, temos um custo a priori, ou seja, estimado antes que o processo produtivo ocorra. Já no segundo caso, temos um custo a posteriori, ou seja, após o processo produtivo.

2) Saída ou não de dinheiro do caixa da empresa: custos explícitos e implícitos

Agora, considere um novo caso: um produtor quer mudar a dieta de suas vacas. Para isso, ele contrata um médico veterinário especialista em nutrição e solicita uma fórmula. O veterinário entregará a fórmula e receberá um valor pelo seu serviço.

Na sequência, o produtor fará as contas dos materiais necessários para fazer a formulação dessa dieta. Ele compra, paga pelos produtos e leva ao funcionário, que deverá formular a ração na propriedade.

Assim, houve um gasto que é computado para se chegar ao valor do custo total da dieta das vacas.

Agora, considere outro caso: um produtor que investiu R$ 300.000 para comprar mais vacas para seu rebanho. A partir do momento em que ele fez isso, deixou de ganhar R$ 18.000, que seriam ganhos se esse valor tivesse sido investido na caderneta de poupança. Assim, ele deixou de ganhar R$ 18.000, mas não desembolsou. É diferente do caso anterior, onde houve um pagamento pelos serviços e pelos insumos.

Assim, o primeiro caso aqui mostram custos explícitos, que são aqueles que representam uma saída de dinheiro. O segundo caso mostra custos implícitos, que não representam saída direta de dinheiro.

3) Alocação ao produto ou forma de identificação do custo: custos diretos e indiretos

Considere aqui um produtor que possui um lote de novilhas e quer aumentar esse lote. A partir do momento que aumenta o lote de animais, aumenta também as despesas com alimentação e sanidade. Por outro lado, o gasto com energia elétrica e com impostos não aumenta proporcionalmente ao número de animais.

Para se chegar a quanto cada novilha gastou de energia ou de impostos é necessário pegar o valor total e dividir pelo número de animais. Já no caso dos alimentos, é possível mensurar o consumo de cada animal, sem dividir (critério de rateio).

Assim, temos mais dois custos: os diretos, que são identificados para cada produto produzido (por exemplo, quanto de ração se gastou por litro de leite produzido). E os custos indiretos, que não são identificados para cada produto produzido, precisando de um critério de rateio para compor o custo.

4) Função ou vínculo com o processo produtivo: custo administrativo e de produção.

Imagine agora que um produtor de leite quer produzir doce de leite. Para isso, ele contratará um técnico para auxiliá-lo. Esse técnico será responsável pela produção (compra dos produtos necessários e produção em si). Já o proprietário ficará responsável pelas ações mais estratégicas, como divulgar o produto, apresentar a revendedores, promover uma degustação, entre outras coisas.

Então, enquanto o técnico tem a função de produzir, o proprietário tem a função de administração. Assim, existem dois custos diferentes: o administrativo, que não está vinculado ao processo produtivo em si, e o custo de produção, que está relacionado diretamente ao processo produtivo.

5) Conforme o nível de produção: custos fixos e variáveis

Considere um produtor que compra um lote de vacas, tendo aumento direto no gasto com medicamentos e alimentação dos animais. Quanto mais animais adicionados, maiores os custos.

Agora considere o caso em que um produtor vende um lote de vacas, recebendo pelos animais e reduzindo seu custo de alimentação e medicamentos. No entanto, ele não reduziu seu custo com o imposto territorial rural (ITR), que permaneceu fixo.

Assim, aqui temos duas classificações de custo: custo variável, associado ao uso de fatores de produção variáveis, que significa que variam conforme a quantidade produzida. Há também o custo fixo, associado ao uso de fatores de produção fixos durante o período de produção avaliado, o que significa que existe independentemente de haver produção (por exemplo, o ITR).

Esses custos, fixos e variáveis, são os mais importantes na agropecuária e os mais utilizados nas análises.

6) Conforme o grau de detalhamento do custo

Imagine um caso em que se somam valores de mão de obra, alimentos (volumosos e concentrados), materiais de limpeza, sanidade e se divide pelo numero de animais ou pela quantidade de leite produzido. Com isso, obtém-se um valor, em reais, por litro de leite ou por animal.

Assim, o custo médio ou unitário é o custo de uma unidade ou serviço obtido pela divisão do custo (fixo, variável ou total) pela quantidade produzida. Esse é um custo importante para se comparar pelo valor recebido pelo litro de leite produzido.

E você, sabe calcular o custo de sua produção?  Sabe identificar quais os componentes dos custos que você conseguiria ou não reduzir?  

O custo de produção é um indicador importante, pois fornece um diagnóstico da atividade. Sabendo os gastos em cada área, você pode calcular outros dados, tais como: lucro, margens, lucratividade, rentabilidade, dentre outros. Por isso, sugerimos que você conheca o curso on-line Custos de produção na pecuária leiteira, do EducaPoint

No curso, a instrutora Carina Simionato Barros - especialista em análise de custos na pecuária- ensina fundamentos básicos de custos de produção e mostra passo a passo, como utilizar planilhas eletrônicas para cálculo. E mais: todas as planilhas são disponibilizadas aos alunos!

Confira aqui o programa completo do curso.

 
A platafoma EducaPoint tem muitos outros treinamentos on-line. Já são mais de 120 temas e a assinatura permite a participação em TODOS OS CURSOS! Conheça mais sobre os planos de assinatura.

Mais informações:

contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082
www.educapoint.com.br

Dúvidas, críticas ou sugestões de temas? Envie um e-mail para
contato@educapoint.com.br

Ficou com dúvidas, gostaria de sugerir de sugerir um tema ou saber mais sobre o EducaPoint? Envie uma mensagem para nós:

Enviar

Você está procurando soluções para público corporativo?

Cursos fechados ou vagas para grandes turmas

VEJA NOSSAS SOLUÇÕES
Rede Agripoint

Copyright © 2018 AgriPoint - Todos os direitos reservados

AgriPoint Serviços de Informação para o Agronegócio
CNPJ 08.885.666/0001-86

Rua Tiradentes, 848 - 12º Andar - Centro - Piracicaba - SP

design salvego.com - desenvolvimento d-nex

Uma empresa associada da abed
ENCONTRE-NOS: