Fechar Precisa de ajuda?
Fechar
ATENDIMENTO ONLINE

PRECISA DE AJUDA?
TEM ALGUMA DÚVIDA?

Fale agora com um de nossos atendentes.
Das 8h às 12h e das 13h às 17h.

ENTRAR NO CHAT

BLOG

Postado em: 03/01/2019

Ora bolas... pasto não precisa adubar?

Por Marco Aurélio Factori

Artigo publicado anteriormente no site MilkPoint.

Nas diversas localidades que passei, são inúmeras as vezes que ouvi este trecho que aqui quero repetir... “ora bolas... pasto não precisa adubar”. Motivo para mim, de risada e ao mesmo tempo uma vontade imensa de chorar. Dar risada, porque a maioria dos produtores, pecuaristas, ou extensionistas, precisam ser extrovertidos para suportar a pressão de se produzir ou se fazer produzir. A vontade de chorar vem pelo motivo de que se tudo nesta vida precisa de incentivo para crescer, reproduzir ou simplesmente viver, o pasto também precisa disto para produzir.

Mais uma vez venho tentar ressaltar algum ponto interessante na produção de pastagem. Um carro para andar precisa de uma partida e ainda depois de ligado, para se manter funcionando precisa de combustível. Para se manter no que chamamos de marcha lenta, precisa de uma quantidade mínima de combustível e com certeza não irá a lugar nenhum se nós não engatarmos a marcha e ainda ACELERARMOS.

Opa, o acelerar vai gastar combustível, não podemos acelerar se não o carro gasta.... Mas se não gasta não anda? Não mesmo.

Como já havia comentado por aqui em outra oportunidade, “tudo que começa bem .. termina bem, ou ainda, começando bem tudo corre bem...”. O investimento na implantação e manutenção de pastagem pode ser considerado uma das atividades mais importantes, sob o ponto de vista econômico. Infelizmente poucos o fazem. Esta prática é tão importante que deve ser considerada como um plantio semelhante a outras culturas, e, como tal, o produtor deve procurar, da melhor maneira possível, as técnicas mais recomendadas à formação da pastagem em sua propriedade.

Sabe-se que a produtividade do pasto está intimamente relacionada com a escolha do local para implantação da pastagem, escolha das espécies forrageiras (não existe forrageira milagrosa e sim a mais adequada para cada caso), época de plantio e preparo do solo. Ainda, plantar no momento certo é uma importante ferramenta para o sucesso.

Para o plantio, as quantidades de adubo já devem estar preparadas para que seja feita a aplicação e, ainda, o calcário, se necessário, já deve ter sido aplicado há pelo menos 30 dias antes deste plantio. No plantio, geralmente é colocado somente o adubo fosfatado (adubo para crescimento da raiz), deixando o adubo potássico (se necessário) e nitrogênio para serem aplicados em cobertura nos ciclos de pastejos, sendo estes os que chamamos de combustível para o crescimento rápido e eficiente da forrageira.

No caso de plantio de pastagem por semente, utiliza-se um valor conhecido para calcular a quantidade de semente, que leva em consideração o valor cultural (VC) da mesma. Depois de feito isso, as sementes devem ser distribuídas na superfície do solo e, utilizando-se rolos leves feitos de pneu ou tambores, compactadas, ou promover o contato da semente com o solo através do mesmo método. Lembrando que, se necessário, o adubo aplicado no plantio é somente o adubo fosfatado que pode ser misturado a semente no dia de plantio.

Depois de tudo isso, passamos para a fase de mantença. Engraçado como ouvimos por aí... “EU NÃO ADUBO PASTO, SÓ GASTA DINHEIRO ADUBANDO PASTO... NUM PRECISA...” Quando ouvimos isso pensamos: de que maneira o pasto produzirá sem receber alimento para ele? Nos trabalhos conduzidos pelas universidades e meios de pesquisa, fica evidente a necessidade da correta adubação de mantença das pastagens. Como comentei no início deste texto, para que o carro ande é preciso acelerar e consequentemente “gastar combustível”. Logicamente que, se quisermos que ele corra mais, aceleramos mais e com isso o consumo de combustível aumenta.

Para os agricultores o fato de se adubar uma cultura é corriqueiro, pois ele sabe que sem adubo a cultura pode até produzir, mas não produz o suficiente para ter eficiência - ou em outras palavras o lucro. Para o pecuarista este pensamento não é tão claro. O agricultor sabe também que existe extração de nutrientes pela planta e ao longo prazo, qualquer hipótese de que a cultura se reconstituirá sem adubação e correção do solo, é mero engano, pois este processo leva muitos anos e ele não pode esperar tudo isso para ficar inserido dentro do mercado produtivo. Um exemplo disso é o que se fazia antigamente (de forma legal) ao derrubar a mata, plantar o pasto de qualquer jeito, usufruir de toda aquela fertilidade e depois abandonar a terra. Infelizmente isto ainda acontece e ainda temos mentes que pensam como extrativistas (retirar e explorar tudo que a área tem, sem se preocupar com o que isto pode gerar). Devo salientar que até mesmo neste ponto, a mantença desta fertilidade que mencionei em função do material orgânico vindo da antiga floresta é necessária para a continuidade do sistema. Logicamente e evidentemente que não precisamos mais derrubar nenhuma área de floresta para produzir em pasto - que fique aqui registrado que temos total capacidade de duplicarmos a nossa produção pecuária sem derrubar nenhuma árvore.

Obviamente que procuramos o bônus e não o ônus, ou traduzindo, queremos o benefício e não o trabalho para tal. Adubar pasto não é gastar dinheiro e sim, INVESTIR.

Qualquer que seja o sistema é preciso que retorne para ele o que retiramos dele. Sim, parece um pouco contraditório falar assim, pois podemos pensar que tudo que ganhamos voltaria para ele. Não, justamente neste ponto é que utilizamos a pesquisa juntamente com a prática em criar técnicas para que isto seja eficiente.

Podemos utilizar adubos orgânicos, adubos minerais, restos de culturas e ainda subprodutos da indústria alimentícia. Podemos colocar adubos secos, úmidos e até mesmo mesclar com o uso da irrigação. Podemos fazer piquetes no pasto, adubar vários piquetes juntos, trabalhar com reuso de água... Dá para ficar muito tempo aqui descrevendo de que forma e o que poderíamos utilizar...

Voltando a falar de carro, antigamente um carro de aproximadamente 80 cavalos consumia por volta de 1 litro para percorrer 5 km. Hoje, aumentou-se a potência e diminui-se o consumo podendo fazer com o dobro da potência talvez o dobro da distância percorrida para o mesmo litro de combustível. É o que devemos fazer. Devemos sempre produzir mais gastando menos, ou ainda, investindo menos. Hoje devemos saber a hora de aplicar e o quanto aplicar. Devemos saber qual adubo aplicar e ainda de onde comprar e quanto comprar.

Adubar pasto é preciso, assim como respeitar os limites de velocidade, obedecer às leis de trânsito, parar nas faixas de pedestres e não beber ao dirigir. Acelerar até o limite permitido, para que possamos voltar da viagem e continuar produzindo sem perder dinheiro no uso abusivo ou insatisfatório de uma brilhante e simples ferramenta que é a adubação de pastagem.

----

Como anda seu pasto? Você está tendo sucesso em acelerar seu pasto visando obter o melhor retorno possível? O artigo é de Marco Aurélio Factori, professor da UNOESTE, que é também um dos instrutores da plataforma de cursos on-line, EducaPoint. Confira abaixo os cursos ministrados por ele:

Processo de fenação: estratégias para produzir volumoso de qualidade

Sistema de lotação rotacionada de pastagem: manejo e aplicação

Para ter acesso ao curso completo, você precisa ser assinante da plataforma EducaPoint. O acesso à plataforma garante a você possibilidade de fazer quase 130 cursos on-line por um preço único! 


Mais informações:

contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082 
www.educapoint.com.br
Baixe o aplicativo para celular

Dúvidas, críticas ou sugestões de temas? Envie um e-mail para  
contato@educapoint.com.br.

Ficou com dúvidas, gostaria de sugerir de sugerir um tema ou saber mais sobre o EducaPoint? Envie uma mensagem para nós:

Enviar

Você está procurando soluções para público corporativo?

Cursos fechados ou vagas para grandes turmas

VEJA NOSSAS SOLUÇÕES
Rede Agripoint

Copyright © 2019 AgriPoint - Todos os direitos reservados

AgriPoint Serviços de Informação para o Agronegócio
CNPJ 08.885.666/0001-86

Rua Tiradentes, 848 - 12º Andar - Centro - Piracicaba - SP

design salvego.com - desenvolvimento d-nex

Uma empresa associada da abed
ENCONTRE-NOS: