Micotoxinas: sinais clínicos

Postado em: 09/03/2022 - 6 min de leitura

Micotoxinas: sinais clínicos
As micotoxinas são compostos naturais produzidos por fungos que crescem em plantas no campo ou durante o armazenamento dos alimentos. Embora os fungos toxigênicos possam crescer sob um determinado conjunto de condições ambientais, eles nem sempre produzem micotoxinas. No entanto, nas condições certas, as micotoxinas podem ser geradas rapidamente no campo ou no armazenamento.

A identificação do fungo pode fornecer uma orientação para testar possíveis micotoxinas, mas não confirma a presença ou identificação de uma micotoxina. A maioria das micotoxinas pode permanecer estável por anos em alimentos para animais, e muitas sobrevivem a ensilagem e processamento de alimentos
 
Dentre as micotoxinas, as aflatoxinas estão entre as mais comuns e podem ocorrer antes da colheita em cereais com amido (milho, algodão e amendoim) ou após a colheita em produtos armazenados. As estirpes de Aspergillus flavus produzem principalmente aflatoxina B1, considerada a mais tóxica e cancerígena (causadora de câncer) das aflatoxinas. As aflatoxinas são potentes toxinas hepáticas (hepatotoxinas), imunossupressores, agentes cancerígenos e mutagênicos e podem causar importantes problemas de saúde pública. Por esses motivos, muitos governos regulam as concentrações permitidas de aflatoxinas em alimentos para animais, alimentos humanos e leite fluido. 

Sinais Clínicos 

Os sinais clínicos da aflatoxicose são um tanto vagos e se tornam mais pronunciados em níveis alimentares mais altos (> 500 ppb) e/ou períodos prolongados de tempo expostos à ração contaminada. Todos os animais são suscetíveis a aflatoxinas, mas a sensibilidade varia entre as espécies. Animais jovens e monogástricos correm maior risco de toxicose.

Os sinais em ruminantes incluem:
  • Desempenho diminuído;
  • Sinais de lesão hepática;
  • Competência imune reduzida;
  • Aborto;
  • Morte.
     
Desempenho diminuído:
- Apetite reduzido, eficiência alimentar reduzida, ganho de peso reduzido;
- Produção de leite reduzida e potencial para resíduos no leite.
 
Sinais de lesão hepática:
- Enzimas hepáticas aumentadas e bilirrubina nas químicas séricas;
- Tempos de coagulação prolongados (hemorragia / hemorragia nasal);
- Icterícia (icterícia);
- Sinais neurológicos, incluindo depressão, letargia, ataxia (cambaleante), circulante, decúbito dorsal.
 
Competência imune reduzida:
- Insuficiência da vacina ou fraca resposta a antibióticos;
- Diminuição da imunidade mediada por células, produção de citocinas e fatores humorais não específicos, como complemento, interferon e alguns componentes séricos bactericidas.
 
Aborto:
- Pode atravessar a placenta e causar danos ao tecido fetal.
 
Micotoxinas no leite

A aflatoxina M1 é o principal produto de excreção na urina e no leite e pode ser monitorada quanto à exposição. A aflatoxina M1 aparece rapidamente no leite e a excreção no leite varia de acordo com a espécie animal, indivíduo, estado de lactação e número de ordenhas após a exposição. O limiar alimentar das vacas para excretar aflatoxina no leite é de aproximadamente 15 ppb; vacas em lactação que consomem uma dieta com 20 ppb ou menos excretam menos de 0,1 ppb no leite. A aflatoxina M1 torna-se indetectável no leite 2-4 dias após a remoção da ração contaminada com aflatoxina da dieta.

Atenção com a alimentação do rebanho
 
Veterinários e nutricionistas precisam considerar várias fontes de aflatoxinas em rações e avaliar as condições de armazenamento de mercadorias na fazenda. É importante amostrar a ração final fornecida para determinar o nível total de aflatoxina que o animal está consumindo em caso de surgimento de sintomas e morte. Níveis extremamente altos de aflatoxina B1 (> 1000 ppb) podem causar sinais neurológicos súbitos ou agudos, como depressão, escalonamento, decúbito e morte devido a danos graves no fígado e no cérebro. O diagnóstico é baseado em sinais clínicos, exames laboratoriais indicando anormalidades hepáticas e níveis tóxicos de aflatoxina presentes na ração. Um fígado fibroso aumentado é geralmente encontrado na necropsia.
 
Nenhum tratamento específico está disponível para a aflatoxicose além de remover rapidamente a ração contaminada e substituí-la por uma ração não contaminada. O fornecimento ideal de proteínas, vitaminas e oligoelementos pode ajudar na recuperação, embora alguns animais afetados possam não se recuperar. Inúmeros produtos, como a bentonita, são comercializados para sequestrar ou ligar micotoxinas e reduzir a absorção do trato gastrointestinal de um animal. São os chamados adsorventes!
===x=== 
    

Gosta do conteúdo? Então aproveite a oportunidade de fazer o curso Introdução a micotoxinas em ruminantes GRATUITAMENTE! Isso mesmo! Este curso está disponível de forma gratuita! Aproveite!
===x===
 
Outras micotoxinas preocupantes em bovinos são aquelas produzidas pelas espécies de fungos Fusarium e incluem desoxinivalenol (DON ou “vomitoxina”), zearalanona e fumonisinas. Os ruminantes geralmente são resistentes a muitos dos efeitos negativos dessas micotoxinas, devido à sua capacidade de degradar esses compostos com as bactérias e protozoários encontrados no rúmen. No entanto, em quantidades suficientemente grandes, podem ocorrer efeitos deletérios. 
 
O principal sinal clínico com DON é a recusa em alimentação, mas pode ser observada uma queda na produção de leite, diarreia e alterações no sistema imunológico. Além disso, pode ocorrer acidose ruminal, vômitos, deslocamento de abomaso, podendo eventualmente levar o animal à morte.
A zearalanona está associada ao hiperestrogenismo, desenvolvimento do úbere, genitália aumentada e infertilidade, embora os efeitos no gado não sejam totalmente compreendidos. Também pode ocorrer mortalidade embrionária, retorno ao cio, cios irregulares, abortos e natimortos. Vacas maduras parecem ser mais resistentes à toxicose por zearalanona do que novilhas em pesquisas. 
 
A fumonisina B1 e B2 são micotoxinas que os bovinos são mais tolerantes do que muitas outras espécies. A ingestão de grandes quantidades resultou em menor ingestão de alimentos, menor produção de leite e algumas lesões hepáticas leves. Também foram registrados lesões de pele, problemas de casco e morte.
 
Os efeitos tóxicos da toxina T2 em várias espécies animais incluem perda de peso, diminuição da conversão alimentar, recusa alimentar, vômitos, diarreia sanguinolenta, dermatite grave, hemorragia, aumento da contagem de células somáticas (CCS), má formação do embrião, aborto e morte
 
Confira abaixo um resumo dos sintomas das diferentes micotoxinas:
 
É importante, ao lidar com ingredientes, medir a concentração de micotoxinas presentes e conhecer o valor nutricional do alimento. No entanto, lembre-se de que, quando amostradas, a exposição humana a altos níveis de micotoxinas - em particular a aflatoxina - em grãos e outras culturas pode resultar em sérios problemas de saúde. Quaisquer grãos ou alimentos potencialmente contaminados devem ser manuseados com muito cuidado. Agricultores, operadores de fábricas e outros que lidam rotineiramente com alimentos potencialmente contaminados devem sempre usar equipamentos de proteção, como luvas, máscaras contra poeira e macacões. Depois que o alimento é testado, os produtores precisam:
 
  • Manter o nível de micotoxinas o mais baixo possível;
  • Manter o nível de micotoxinas abaixo do nível de ação regulatória para cada espécie e estágio de produção, pois podem ocorrer resíduos de aflatoxina em vários produtos de animais expostos a quantidades excessivas. Os resíduos são especialmente importantes no leite e nos tecidos dos órgãos, mas também podem estar presentes na carne;
  • Compensar as diferenças em animais individuais, técnica de amostragem e “pontos quentes”, visando a ingestão total de micotoxinas abaixo do nível de ação ou orientação;
  • Lembrar-se de que se várias micotoxinas estão presentes em um alimento, seus efeitos adversos podem ser aditivos.
 
Mais informações: 
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082 
 
Fontes:
 
Mycotoxins and their Effects on Dairy Cattle, de Dr. Michelle Arnold e Dr. Cynthia Gaskill, University do Kentucky Veterinary Diagnostic Laboratory.
 
Micotoxinas: o inimigo invisível (https://www.educapoint.com.br/blog/pecuaria-geral/micotoxinas-inimigo-invisivel/)
 
Food Safety: Mycotoxins – Occurrence and Toxic Effects (https://www.sciencedirect.com/topics/medicine-and-dentistry/t-2-toxin)]

 
 
===x===

Nesse curso, o zootecnista, Ricardo Fasanaro, explica tudo o que você precisa saber sobre micotoxinas em alimentos.

Você sabia que pode com um único valor mensal ter acesso ilimitado a esses e centenas de cursos online?

O EducaPoint é uma plataforma preparada para trazer a melhor estrutura em cursos online para ajudar você no seu agronegócio.

Quer ter acesso a todos os cursos da plataforma?